Tamanhos de embalagens são desregulamentados na Europa | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 11.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Tamanhos de embalagens são desregulamentados na Europa

Atendendo a uma diretriz da UE, as regulamentações de tamanhos de embalagens de produtos alimentícios e outros artigos foram suprimidas para ampliar a escolha do consumidor. Críticos veem risco de propaganda enganosa.

default

Medida não vale para vinhos e destilados

Uma pequena revolução está prestes a acontecer nos supermercados europeus. A partir deste sábado (11/04), caem em toda a União Europeia os regulamentos que até hoje definiam os tamanhos de embalagens de diversos artigos de uso cotidiano, à exceção apenas de vinhos e destilados.

Enquanto associações de proteção ao consumidor criticam a mudança como "sem sentido", o comércio varejista comemora a maior liberdade do consumidor: de cerveja em garrafas de 0,66 litro ao chocolate em embalagens de meio quilo e à manteiga "para solteiros", as mudanças nas prateleiras serão grandes. Pessoas que vivem sozinhas, por exemplo, não terão mais que jogar fora laticínios que não puderam consumir a tempo, porque a partir de agora poderão comprar seus produtos em quantidade reduzida.

No entanto, os novos tamanhos de embalagens não chegarão tão cedo às prateleiras. Nem mesmo os supermercados populares, que oferecem produtos mais em conta, planejam grandes mudanças no sortimento. Segundo Winfrid Batzke, diretor do Instituto Alemão de Embalagens, tais mudanças são complexas e caras.

Além disso: "Os consumidores estão acostumados com as embalagens de um litro de leite e há poucos motivos para alterá-la", aposta Ulrike Hörchens, da Federação do Comércio Varejista Alemão (HDE). Estratégias de marketing, no entanto, poderiam ser uma exceção. "Uma barra de chocolate poderia conter 20 ou 30 gramas a mais, por exemplo."

Deutschland Milch Bauern Verbraucher Milch im Kühlregal

Embalagem de um litro de leite: questão de costume?

Demandas específicas ou armadilhas?

Com o novo regulamento, os fabricantes podem atender de forma mais efciente às necessidades específicas de certos grupos de consumidores, como solteiros ou idosos, para quem, segundo Hörchens, as embalagens normais já são grandes demais.

Mas a Federação Alemã das Centrais de Defesa do Consumidor teme que a medida cause confusão nos mercados. "Estamos abrindo espaço para embalagens enganadoras", disse seu presidente, Gerd Billen. Para ele, os tamanhos pré-definidos defendiam o consumidor de trapaças, enquanto agora os fabricantes podem aproveitar para elevar os preços por debaixo dos panos, no simples esquema "mesma embalagem, mesmo preço, menos produto".

Até o Ministério da Defesa do Consumidor cobrou que as especificações de quantidade dos pacotes sejam claras. Mas a Federação do Comércio não vê aí o menor risco, pois as medidas de quantidade poderão ser comparadas através do preço por litro ou por quilo, exibido obrigatoriamente em qualquer embalagem.

Diretriz europeia

A liberalização dos tamanhos de embalagens foi necessária a fim de atender a uma diretriz da União Europeia, que busca favorecer a livre circulação no mercado interno europeu , eliminando potenciais entraves à competitividade e promovendo a inovação.

Com isso, foram suspensos os tamanhos padrões para produtos alimentícios como chocolate, cerveja, água, leite, açúcar ou sucos, também para vernizes e sabão em pó. Nos anos 1970, os tamanhos haviam sido padronizados a fim de facilitar a comparação pelo consumidor. Na Alemanha, até aquele momento, a limitação só se aplicava a poucos produtos.

Torben Erbrath, da Federação da Indústria Alemã de Doces, aprova a mudança. "Antes tínhamos que pensar novas embalagens sempre com o olho na balança. Por sorte, isso agora acabou." No entanto, desde já devem entrar no mercado alemão produtos estrangeiros em todos os tamanhos imagináveis, o que pode acabar colocando as empresas do país em dificuldades.

RR/afp/dpa

Revisão: Soraia Vilela

Leia mais