1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Supertufão causa morte e destruição nas Filipinas

Com ventos de mais de 300 km/h, tufão Haiyan causou enchentes devastadoras, arrancou árvores, destruiu casas. Cruz Vermelha acredita que número de mortos passe de mil.

Um dos mais devastadores tufões já registrados na história matou pelo menos 138 pessoas nas Filipinas, segundo noticiaram neste sábado (09/11) as autoridades locais. Ventos superiores a 300 quilômetros por hora causaram destruição em províncias centrais, onde as estradas estão bloqueadas devido a enchentes, árvores foram arrancadas do solo e redes de transmissão energia derrubadas.

Taifun Haiyan Philippinen 08.11.2013

Haiyan arrancou árvores do chão e telhados de casas

O trabalho das equipes de resgate nos locais por onde o supertufão Haiyan passou é intenso. A Cruz Vermelha estima que o saldo de mortos deverá passar de 1.200. "A última vez que vi algo desta dimensão, foi na época do tsunami que atingiu o Oceano Índico [2004]", comparou Sebastian Rhodes Stampa, chefe da equipe americana para avaliação de desastres enviada à cidade litorânea de Tacloban, uma das mais atingidas.

Neste sábado, o supertufão de categoria 5 perdeu força, caindo para 4, mas meteorologistas alertam que ele pode recrudescer no Mar da China Meridional, na direção do Vietnã, onde deve chegar na manhã de domingo. Autoridades de 15 províncias vietnamitas estão em alerta máximo, recolhendo barcos e preparando-se para possíveis desmoronamentos de terras. Cerca de 300 mil pessoas já foram evacuadas para áreas mais seguras.

Destruição

A agência nacional de desastres das Filipinas ainda não divulgou números sobre os prejuízos materiais, mas calcula que sejam consideráveis. Em Tacloban, postes e fios de transmissão de energia foram destruídos, assim como milhares de casas, que tiveram telhados arrancados com a força do vento. O aeroporto foi destroçado.

Taifun Vietnam Haiyan

Vietnã se prepara para passagem do supertufão

Agentes do governo filipino começaram a retirar os moradores das áreas mais baixas, do litoral e vilas nas montanhas no início da semana, dias antes de a meteorologia prever a chegada do tufão para a sexta-feira. No entanto, nem todos os moradores atenderam ao pedido de Manila.

A tempestade alcançou as ilhas orientais de Leyte e Samar na manhã de sexta-feira com ventos de até 350 quilômetros por hora e ondas de três metros de altura, que invadiram várias cidades costeiras.

O tufão Haiyan é o segundo de categoria 5 a atingir as Filipinas neste ano: o anterior fora o Usagi, em setembro passado. Em média, 20 tufões passam pelo país, todos os anos, porém o Haiyan foi o 24º em 2013, até agora.

MSB/rtr/afp/dpa

Leia mais