1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futurando!

Substâncias poluentes mais agressivas ao ser humano

Para Organização Mundial de Saúde, mais de dois milhões de mortes a cada ano podem ser atribuídas aos efeitos da poluição.

A poluição atmosférica é uma ameaça para a saúde em todo o mundo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de dois milhões de mortes prematuras a cada ano podem ser atribuídas aos efeitos da poluição do ar urbano. A queima de combustíveis fósseis e de biomassa é a fonte mais significativa de poluentes atmosféricos.

Aparelhos domésticos de combustão, veículos, instalações industriais e incêndios florestais são fontes de poluição do ar. A OMS alerta que ao reduzir os níveis de poluição do ar pode diminuir a carga global de complicações ligadas a infecções respiratórias, como doenças cardíacas e câncer de pulmão. O Top 5 desta semana foi elaborado com informações da OMS e do Indicadores do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

1. Partículas Totais em Suspensão (PTS), Fumaça e Partículas Inaláveis (PM10)

Representam materiais sólidos e líquidos em suspensão na atmosfera, como poeira, pó, fuligem, fumaça. O tamanho das partículas é o critério utilizado para a classificação destes materiais. Partículas mais grossas ficam retidas no nariz e na garganta, provocam incômodo e irritação, além de deixarem o organismo mais vulnerável. Poeiras mais finas causam danos ao aparelho respiratório. Podem carregar outros poluentes para os alvéolos pulmonares, provocando doenças respiratórias, cardíacas e câncer.

2. Ozônio (O3)

O ozônio é um gás composto por três átomos de oxigênio, invisível, com cheiro marcante e altamente reativo. Na estratosfera ele ajuda a proteger a Terra da radiação solar, mas na camada mais baixa da atmosfera ele é nocivo à saúde. O ozônio é formado pela reação dos hidrocarbonetos e óxidos de nitrogênio presentes no ar, sob ação da radiação solar e é o principal representante do grupo de poluentes conhecidos como oxidantes fotoquímicos. Pode causar irritação nos olhos e redução da capacidade pulmonar, agravar doenças respiratórias, diminuir a resistência contra infecções e ser responsável por disfunções pulmonares, como a asma. De acordo com a OMS, o excesso de ozônio no ar pode ter um efeito significativo sobre a saúde humana. Na Europa, é um dos poluentes atmosféricos mais preocupantes.

3. Dióxido de Nitrogênio (NO2)

É formado pela reação do óxido de nitrogênio e do oxigênio reativo, presentes na atmosfera. Pode provocar irritação da mucosa do nariz e danos severos aos pulmões, semelhantes aos provocados pelo enfisema pulmonar. Além dos efeitos diretos à saúde, o NO2 também está relacionado à formação do ozônio e da chuva ácida. Há evidências de que a substância agrava doenças respiratórias pré-existentes e contribui para seu aparecimento. Os efeitos sobre a saúde incluem desconforto na respiração, agravamento de doenças respiratórias e cardiovasculares já existentes.

4. Dióxido de Enxofre (SO2)

O SO2 é um gás incolor com odor acentuado. É produzido a partir da queima de combustíveis fósseis (carvão e petróleo) e da fundição de minérios. A emissão de dióxido de enxofre está principalmente relacionada ao uso de combustíveis de origem fóssil contendo enxofre, tanto em veículos quanto em instalações industriais. Pode provocar irritação e aumento na produção de muco, desconforto na respiração e agravamento de problemas respiratórios e cardiovasculares. O SO2 também é um dos poluentes precursores da chuva ácida, efeito global de poluição atmosférica, responsável pela deterioração de diversos materiais, acidificação de corpos d'água e destruição de florestas. Pessoas com asma, doenças crônicas de coração e pulmão são mais sensíveis ao SO2.

5. Monóxido de Carbono (CO)

Trata-se de um gás tóxico, inodoro e incolor. A emissão de monóxido de carbono está relacionada diretamente com o processo de combustão tanto em veículos com motores movidos a gasolina, diesel ou álcool, quanto na indústria. Esse gás é classificado como um asfixiante sistêmico, pois é uma substância que prejudica a oxigenação dos tecidos. Os efeitos da exposição dos seres humanos ao CO estão associados à diminuição da capacidade de transporte de oxigênio na combinação com hemoglobina do sangue. O monóxido de carbono pode provocar intoxicação e até a morte. O risco aumenta com o tempo de exposição.