1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Suíça ajudou nazistas com dinheiro e armas

Comissão de historiadores independentes revela que Suíça colaborou para que a Alemanha nazista realizasse sua meta – o Holocausto – fornecendo muito dinheiro, armas e com uma política restritiva de asilo.

default

Deportação de judeus do Gueto de Varsóvia, em 1943

A Suíça ajudou a Alemanha nazista fornecendo grandes quantidades de divisas e armamentos. Além disso, com a sua política dura de asilo, o país pretensamente neutro deixou de salvar milhares de fugitivos que corriam perigo de vida na Segunda Guerra Mundial.

Como centro da indústria secreta alemã de armamento, o país contribuiu para que os nazistas conseguissem rapidamente, em meados dos anos 30, alcançar a produção de material bélico em massa. Entre 1939 e 1945, quando terminou a Grande Guerra, com a derrota da Alemanha, a Suíça transferiu 820 milhões de francos, armas e munição para a Alemanha, Itália e Romênia.

Essas revelações estão no relatório final da comissão de historiadores independentes convocada pelo governo suíço e divulgado em Berna, nesta sexta-feira (22).

"A política de nossas autoridades contribuíram para os nazistas alcançarem a sua meta terrível – o Holocausto", disse o historiador Jean-François Bergier, se referindo ao extermínio de seis milhões de judeus na Europa. No seu relatório com o título A Suíça, o Nazismo e a Segunda Guerra Mundial, ele destaca que as autoridades suíças expulsaram um número grande de pessoas ameaçadas de morte pelos nazistas.

O governo e o Legislativo suíços anunciaram o desejo de promover uma discussão ampla sobre o relatório. "A Suíça encara com satisfação os esforços para esclarecer a História", diz uma declaração oficial divulgada em Berna, acrescentando que se tem de reconhecer também que nem sempre o país, especialmente os responsáveis políticos, se preocupou em atender as exigências humanitárias.

O governo suíço também destacou que a Comissão Bergier teria rechaçado três acusações graves contra o seu país: as relações econômicas não teriam prolongado a guerra, nenhum trem de deportação de prisioneiros para os campos de extermínio dos nazistas passou pela Suíça e os bancos suíços não teriam construído o seu sucesso com o dinheiro e bens roubados das vítimas do nazismo.