1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Suíça abre ação criminal contra Blatter

Cartola é ouvido por promotores, que o acusam de ter prejudicado a Fifa no fechamento de um contrato com a União Caribenha de Futebol e em um pagamento a Michel Platini.

O Ministério Público Suíço anunciou nesta sexta-feira (25/09) que abriu uma investigação criminal sobre o presidente da Fifa, Joseph Blatter, devido a suspeitas de irregularidades administrativas.

Os promotores acusam Blatter de ter assinado um contrato desfavorável à Fifa com a União Caribenha de Futebol, presidida por Jack Warner, antigo vice-presidente da Fifa e estreito colaborador do presidente. Para os promotores, o contrato prejudicou a Fifa, o que contraria os deveres de Blatter como gestor.

Blatter também é acusado de ter feito um "pagamento desleal" de 2 milhões de francos suíços ao presidente da Uefa, Michel Platini, também prejudicando a Fifa. O dinheiro "supostamente" foi pago por serviços prestados entre 1999 e 2002, mas o pagamento só foi realizado em 2011, afirmam os promotores.

Pela lei suíça, um pagamento é desleal quando é desfavorável ao empregador, nesse caso a Fifa.

O processo foi aberto nesta quinta-feira, e Blatter foi interrogado por membros do Ministério Público nesta sexta, na condição de acusado. Platini também foi ouvido, mas na condição de testemunha.

Paralelamente, o Ministério Público, com apoio da Polícia Federal, fez buscas na sede da Fifa, em Zurique, nesta sexta-feira. Os agentes levaram consigo "informações" recolhidas no escritório de Blatter, mas não foram divulgados detalhes.

"Como todo acusado, Blatter é inocente até que se prove o contrário", conclui comunicado do Ministério Público. A Fifa declarou que está cooperando com a Justiça suíça.

O anúncio da abertura do processo penal e do interrogatório foi feito uma hora e meia depois de a Fifa ter cancelado uma entrevista coletiva de Blatter programada para esta sexta.

AS/rtr/efe/dpa/ap

Leia mais