1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Suécia volta a controlar fronteiras

Medida visa controlar fluxo de refugiados e será válida inicialmente por dez dias. País recebeu mais de 80 mil imigrantes desde setembro, o mesmo número que em todo o ano de 2014.

A Suécia retomará temporariamente controles em suas fronteiras devido ao elevado fluxo migratório, anunciou nesta quarta-feira (11/11) o ministro sueco do Interior, Anders Ygeman.

"A análise de todos, quando pedimos informações à polícia e às agências de Contingências Civil e de Migração, é que controles nas fronteiras temporários são necessários", disse Ygeman. Ele afirmou que os países vizinhos já foram informados sobre a decisão.

A medida entra em vigor ao meia-dia desta quinta-feira e será válida para um período inicial de dez dias. Os controles afetam os transportes ferroviários e rodoviários na Ponte do Oresund, que liga a Suécia à Dinamarca, e os terminais de ferry no sul do país, por onde muitos refugiados chegam da Alemanha.

Ygeman disse ainda que foi solicitado às companhias de ferry que introduzam "o mais rápido possível" um controle de identidade quando forem criadas as listas de passageiros. O ministro ressaltou, porém, que é muito cedo para dizer se as medidas surtirão efeito no fluxo migratório.

Segundo o porta-voz da Agência de Migração, Mikael Hvinlund, as medidas são necessárias para permitir que a agência priorize os esforços para registrar menores não acompanhados e famílias com crianças. "Desde setembro, a Suécia recebeu mais de 80 mil requerentes de asilo, o mesmo número recebido durante todo o ano de 2014", disse Hvinlund.

O primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, disse que é necessário manter a ordem no país. "Deve haver ordem no sistema de recepção de refugiados", declarou em Malta, onde participa de uma cúpula da UE.

A Suécia é, ao lado da Alemanha, um dos principais destinos europeus de refugiados. O país espera receber entre 150 mil e 190 mil refugiados em 2015.

CN/rtr/dpa/afp/efe

Leia mais