1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Suécia descarta parte das acusações contra Assange

Três das quatro queixas de crimes sexuais feitas contra o fundador do Wikileaks prescrevem, mas uma, de estupro, continua válida. Com mandado de prisão ainda em vigor, ele terá que seguir na embaixada em Londres.

Promotores suecos arquivaram nesta quinta-feira (13/08) três das quatros acusações de crimes sexuais que pesam sobre o fundador do Wikileaks, Julian Assange – elas prescreveram após cinco anos. O australiano está vivendo dentro da Embaixada do Equador em Londres, desde 2012, para evitar a extradição. Ele nega as acusações e alega que os casos são motivados politicamente.

Assange teme que a Suécia possa extraditá-lo aos Estados Unidos, onde ele poderia enfrentar julgamento devido à publicação, através do Wikileaks, de dezenas de milhares de documentos militares e diplomáticos secretos.

As acusações que prescreveram, feitas por duas mulheres suecas, eram de abuso sexual. A lei diz que o suspeito de um delito como esse deve ser investigado e processado no máximo dentro de um prazo de cinco anos.

Ainda resta, porém, uma acusação de estupro, mas o prazo para que ela prescreva expira somente em 2020. Assim, o australiano de 44 anos, apesar de livre de parte das acusações, não deverá deixar tão cedo a embaixada equatoriana.

Com as alegações de abuso sexual expirada, uma das duas mulheres que acusaram Assange será excluída do processo legal.

"Enquanto ela sente que ele deveria ter sido levado à Justiça, é ao mesmo tempo um alívio poder fugir dos acontecimentos que ocorreram há cinco anos", disse Claes Borgstrom, advogado da mulher. "Ela vive uma vida normal, e prefere não ser lembrada. Há algum alívio com o descarte das acusações."

Suécia e Equador buscam acordo

Em Estocolmo, a porta-voz do Ministério da Justiça, Cecilia Riddselius, disse que Suécia e Equador concordaram em iniciar negociações sobre um acordo de auxílio judiciário mútuo, mas não está claro se ele poderia abrir a possibilidade de interrogar Assange.

"Normalmente, este tipo de negociação simplesmente leva tempo. Isso não é nada que se faz com pressa", afirmou Riddselius.

O advogado que representa o fundador do Wikileaks, Thomas Olsson, disse que com o descarte das três acusações "nada vai mudar", já que o mandado de detenção continua em vigor.

"Acredito que o caso deveria ter sido fechado há muito tempo, porque a evidência é fraca", argumentou Olsson.

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira, Assange se disse “decepcionado” com o desenvolvimento do processo na Suécia. Ele alega que, desde o início da polêmica, esteve à disposição para provar sua inocência.

"Ofereci soluções simples: que viessem até a embaixada e coletassem meu depoimento ou que prometessem não me enviar para os EUA. A Suécia recusou os dois”, disse.

PV/rtr/afp/dpa

Leia mais