Suécia derrota França e leva bronze na Copa feminina | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 16.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Suécia derrota França e leva bronze na Copa feminina

Seleção sueca ficou em terceiro lugar no Mundial de futebol feminino, apesar de ter uma jogadora a menos em campo. Título será decidido entre EUA e Japão. Detectados cinco casos de doping entre norte-coreanas.

Marie Hammarström marcou o gol da vitória sueca

Marie Hammarström marcou o gol da vitória sueca

Apesar de terem apenas dez jogadoras em campo, as suecas derrotaram as francesas por 2 a 1 em Sinsheim, no sudoeste da Alemanha, neste sábado (16/07), na disputa pelo terceiro lugar da Copa feminina de futebol na Alemanha. O gol da vitória foi marcado aos 37min do segundo tempo pela meio-campo Marie Hammarström, que havia entrado na partida 20 minutos antes.
Naquele momento, a equipe treinada por Thomas Dennerby já estava com uma jogadora a menos, depois de Josefine Öqvist ver cartão vermelho aos 23min da segunda etapa por causa de uma agressão à francesa Sonia Bompastor.
O placar havia sido aberto pela sueca Lotta Schelin aos 29 minutos de jogo. O empate viria aos 11min do segundo tempo, através de Elodie Thomis.
Este é o segundo maior êxito da equipe de futebol feminino da Suécia, após o vice-campeonato mundial em 2003. Já as francesas nunca chegaram tão longe em uma Copa do Mundo. Ambas as equipes estão classificadas para os Jogos Olímpicos do próximo ano. O estádio esteve lotado por mais de 25 mil espectadores e a equipe de arbitragem foi liderada pela norte-americana Kari Seitz.
Suecas comemoram a medalha de bronze

Suecas comemoram a medalha de bronze

Final em Frankfurt
Os Estados Unidos e o Japão disputam o título neste domingo em Frankfurt. Os mais de 48.800 ingressos estão esgotados. Após 12 anos sem título, as norte-americanas querem o terceiro campeonato. Elas foram campeãs mundiais em 1991 e 1999.
Já para as japonesas seria o maior êxito na história do futebol feminino de seu país. A estratégia da treinadora dos Estados Unidos, a sueca Pia Sundhage, é motivar suas jogadoras com os próprios gols. "Mostrarei vídeos com os gols que fizeram aqui", disse a técnica de 51 anos após o treino deste sábado.
Homare Sawa é estrela do time japonês e divide artilharia com Marta

Homare Sawa é estrela do time japonês e divide artilharia com Marta

Já as pequenas e ágeis japonesas apostam na velocidade e na garra coletiva para enfrentar a dinâmica e a força física das norte-americanas. Lideradas pela excepcional Homare Sawa, que com quatro gols divide a artilharia da Copa com a brasileira Marta, as japonesas querem levar o título ao país marcado pelo terremoto, pelo tsunami e pela catástrofe nuclear de março último.

"Todos conhecem a difícil situação no país. Isso vem nos acompanhando todo o torneio. Queremos devolver aos japoneses um pouco de força e confiança", disse o treinador Norio Sasaki neste sábado.
Mesmo sem disputar a final, a Alemanha estará representada em campo pela árbitra Bibiana Steinhaus e pelas assistentes Marina Wozniak e Katrin Rafalski.
Mais três casos de doping
A um dia da final, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, fez um balanço positivo da Copa na Alemanha. "Sou um presidente muito satisfeito. Tivemos uma organização extraordinariamente boa do campeonato", disse Blatter, que assistiu à vitória sueca.
Três novos casos de doping entre a equipe norte-coreana foram confirmados pela Fifa neste sábado. "Fomos confrontados na Fifa com um caso muito grave e desagradável de doping, que dói", disse Blatter, que falou de um "choque".
No total, foram detectados esteroides proibidos na urina de cinco jogadoras da seleção da Coreia do Norte, que esteve no Grupo C, mas não passou da primeira fase do Mundial.
RW/Sid/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais