STF faz julgamento decisivo sobre impeachment | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

STF faz julgamento decisivo sobre impeachment

Ministros convocam sessão extraordinária para analisar pedidos apresentados pela AGU e aliados que questionam o processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff.

O Supremo Tribunal Federal (STF) convocou nesta quinta-feira (14/04) uma sessão extraordinária para analisar cinco ações apresentadas pelo governo e aliados para barrar a votação do processo do impeachment da presidente Dilma Rousseff, marcado para o domingo.

Nesta quinta, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, pediu ao STF a anulação da votação e o fim da tramitação do processo. A AGU argumenta que o processo contém "vícios que violam os princípios do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa".

Outras ações foram protocoladas pelos deputados federais Weverton Rocha (PDT-MA), Paulo Teixeira (PT-SP), Wadih Damus (PT-RJ), Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA).

O PC do B questionou numa Ação Direta de Inconstitucionalidade a ordem de votação estabelecida pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"Trata-se de uma decisão que busca manipular o procedimento para interferir no resultado", afirmou Claudio Pereira, representante legal do partido.

Assistir ao vídeo 03:07
Ao vivo agora
03:07 min

O passo a passo do impeachment

Cunha tinha determinado que votariam primeiro os deputados da região Sul, a maioria favorável ao impeachment, e por último os do Norte. Segundo governistas, a intenção seria criar um clima pró-impeachment para influenciar o voto dos indecisos.

Já nesta quinta, o presidente da Câmara voltou atrás e redefiniu a ordem da votação do impeachment, determinando que seja alternada entre parlamentares das regiões Norte e Sul, começando pelo Norte. Deputados do Nordeste, no entanto, ficaram para o final da votação. Na sessão, Renato Ramos, representante da Câmara dos Deputados, argumentou que a decisão de Cunha foi "imparcial" e que respeita o regimento interno da casa.

O relator Marco Aurélio Mello defendeu que a ordem da votação não pode ser determinada "de forma a influenciar o resultado final". Ele defende que, assim como em 1992, para o impeachment de Collor, a votação seja nominal e em ordem alfabética.

A maioria dos dez ministros concordou com o critério adotado por Cunha, alternando deputados das regiões Norte e Sul, como prevê o regimento da Câmara.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados