Steinmeier sonda futuro da política externa americana | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Steinmeier sonda futuro da política externa americana

Em viagem aos EUA, ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, debaterá temas como Bálcãs, Rússia e China e sondará a política externa dos candidatos à presidência. Especialista comenta a visita.

default

Visita prevê encontro com representantes dos três candidatos à presidência dos EUA

Entre os diversos temas a serem debatidos durante a visita do ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, a Washington, estão o conflito no Oriente Médio, o programa nuclear do Irã e a situação nos Bálcãs. Além disso, a delegação alemã pretende obter durante a viagem informações de primeira mão acerca dos futuros planos dos candidatos à presidência dos Estados Unidos no tocante à politica externa.

DW-WORLD.DE falou sobre a visita com Julianne Smith, diretora do Programa Europeu do Centro para Estratégia e Estudos Internacionais, um órgão especializado em relações bilaterais sediado em Washington.

Steinmeier viajou nesta sexta-feira (11/04) para os Estados Unidos, onde permanecerá até domingo.

DW-WORLD.DE: A visita de Steinmeier consiste, em parte, numa missão esclarecedora sobre a futura política externa dos candidatos à presidência dos EUA. Considerando a postura alemã diante de temas como Oriente Médio – incluindo as relações com o Irã –, Afeganistão, Rússia e o papel da União Européia no cenário internacional, que candidato tende a ser mais compatível com a Alemanha?

Julianne Smith: Todos os candidatos à presidência americana possuem pontos em comum com a Europa e a Alemanha. Os três querem fechar Guantánamo, os três querem fechar o cerco contra a tortura e voltar atrás com muitas das decisões políticas tomadas durante a administração de Bush e que acabaram afastando muitos dos aliados de Washington, e os três querem lançar iniciativas contra a mudança climática.

John McCain gewann die republikanische Präsidenten-Nominierung

John McCain pode representar problema para Europa

No entanto, John McCain pode ser um potencial problema. Ele é um crítico mordaz da Rússia e é provável que imponha uma postura pungente nas relações bilaterias. Ele se pronunciou a respeito da expulsão da Rússia do G8, ridicularizou Putin e possui o mesmo desdém com relação a Medvedev. É provável que McCain desafie a postura alemã perante a Rússia, especialmente no que diz respeito à segurança energética. Clinton e Obama também seriam mais rígidos com a Rússia, mas não de forma tão severa quanto McCain. Nenhum dos dois pensaria em expulsar a Rússia do G8.

Também poderia haver um conflito na questão do Iraque. McCain é um defensor da guerra e acredita que a ampliação das tropas foi um sucesso, embora admita que tenha havido falhas administrativas. Se levarmos em conta a posição alemã em relação à guerra, este poderia ser um ponto de atrito.

Hillary Clinton gegen Barak Obama

Hillary e Obama: democratas mais próximos da UE

Clinton e especificamente Obama se aproximariam da Europa sem essa bagagem. Obama diria: "Veja, eu nunca fui a favor, nunca apoiei a guerra, mas herdei tudo isso". Clinton é um pouco menos explícita quanto a isso, como demonstraram certas aparições do começo de sua campanha, quando foi criticada por sua indefinição a respeito da guerra. Mas ambos pretendem manter um diálogo com a Europa sobre o Iraque e buscar soluções conjuntas.

Quanto ao Irã, a diferença também é grande. McCain é a favor da opção militar e está absolutamente certo de que não deveria haver conciliação ou recompensa por um compromisso por parte do Irã, enquanto os dois democratas disseram que a opção militar ainda está em debate, mas que são a favor do diálogo, especialmente Obama. Hillary é mais hesitante quanto a isso. Seja como for, ambos defendem a postura alemã de buscar o diálogo com o Irã.

Em contrapartida, os três cobrariam da Europa que aumente as sanções econômicas e utilizem seu poder, assim como a Alemanha o fez ao suspender operações bancárias em Teerã.

Steinmeier também se encontrará com a secretária de Estado Condoleezza Rice. Diante dos conflitos surgidos na mais recente cúpula da Otan em Bucareste com respeito à Rússia, aos Bálcãs e à potencial admissão de ex-repúblicas soviéticas [Ucrânia, Geórgia], o que a Alemanha pode esperar quanto à solução das questões que hoje dividem Washington e Berlim?

É muito provável que este encontro seja usado antes para reiterar as posições defendidas em Bucareste do que para tentar encontrar uma solução. Rice provavelmente tentará doutrinar a Alemanha quanto à questão da Ucrânia e da Geórgia, reiterando o desejo de Bush de que esses dois países sejam incorporados à Otan, o que poderia provocar um atrito. Há rumores de que a maneira como Bush pressionou os europeus, mesmo após estes terem deixado claro que a questão estava decidida, deixou muitos irritados. Diz-se que especialmente [a chanceler federal alemã] Merkel ficou muito aborrecida com isso. Então creio que Steinmeier aproveitará a oportunidade para reiterar a posição da Alemanha e da União Européia de forma decisiva.

USA-Reise Frank-Walter Steinmeier trifft Condoleeza Rice in Washington

Steinmeier e Condoleezza Rice: posições reiteradas

Os Bálcãs também estarão entre os temas abordados. Os Estados Unidos estão muito interessados em saber como funcionará a missão da União Européia no Kosovo e quais serão os detalhes desta missão. Também será discutido o escudo antimísseis dos EUA no Leste Europeu. É mais provável que a agenda inclua temas geopoliticamente mais próximos da Europa que dos EUA.

Também é provável que Steinmeier pressione Rice para obter informações sobre o andamento do processo de paz entre Israel e Palestina. Os EUA estão enviando pessoas à região já há vários meses após anunciarem planos e reivindicações um tanto ambiciosos. Steinmeier vai querer saber o que está acontecendo. Os alemães, e Steinmeier pessoalmente, estão muito interessados na solução do conflito.

Será que Rice aproveitará a oportunidade para aumentar a pressão sobre a Alemanha a respeito de seu envolvimento no Afeganistão?

Rice provavelmente deixará a questão das tropas para o secretário de Defesa, Robert Gates. Ela estará mais interessada em descobrir o que a Alemanha está planejando em virtude do encontro organizado pela França para discutir a ajuda civil e as missões no Afeganistão. Ela vai querer saber o que a Alemanha tem para oferecer e se há alguma possibilidade de ações conjuntas com os EUA.

Se a China fizer parte da agenda, qual a probabilidade de que os EUA e a Alemanha cheguem a um acordo, dada a posição mais aberta de Berlim com relação a Pequim?

Symbolbild China Wirtschaft

UE aumenta crítica com relação à China

Embora não conste oficialmente da agenda de Rice, com a situação no Tibete e o atual debate sobre os Jogos Olímpicos pode ser que a China seja um dos tópicos discutidos. As duas nações mantêm diferentes posturas e relações bilaterais com o país e é improvável que venham a tematizá-las neste curto encontro. Os Estados Unidos têm interesses geopolíticos diferentes na China, mantendo laços fortes com Taiwan e tropas estacionadas na região, enquanto os europeus são mais focados no comércio.

Também existe a idéia de que os europeus sejam muito mais suaves ao lidar com a China do que os norte-americanos. Nos últimos anos, muita coisa realmente mudou. O déficit comercial e outras questões econômicas fizeram com que a Europa se tornasse um pouco mais tensa nas suas relações com a China, por mais que a União Européia tenha assumido recentemente uma postura mais firme. Mesmo assim, a Europa e os Estados Unidos mantêm um curso individual com relação à China e nem mesmo os laços comerciais da Alemanha serão suficientemente interessantes para que este se torne um tema a ser debatido no encontro.

Leia mais