Steinmeier inicia missão diplomática no Oriente Médio | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Steinmeier inicia missão diplomática no Oriente Médio

Após semanas de criticada "diplomacia telefônica", ministro alemão do Exterior visitará Egito e Israel. Resolução da ONU, sondagem prévia e cooperação com França foram precondições para viagem anunciada a curto prazo.

default

Esforços da UE no Oriente Médio continuam

Com uma inesperada viagem ao Oriente Médio, o ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, espera pressionar israelenses e palestinos no sentido de um cessar-fogo na Faixa de Gaza. Na noite desta sexta-feira (09/01), parte para o Egito.

Ele se reunirá no dia seguinte, na cidade balneária de Charm el Cheikh, com altos representantes do país – seu colega de pasta Ahmed Abul Gheit e o presidente Hosni Mubarak – e com o presidente palestino, Mahmud Abbas. Em seguida, Steinmeier seguirá para Tel Aviv, onde conversará com sua colega de pasta Zipi Livni e outros políticos israelenses.

Com a visita ao Egito, Steinmeier também busca honrar os constantes esforços deste país, tanto para uma conciliação entre os partidos conflitantes, como para a segurança de sua fronteira com a Faixa de Gaza. Trata-se da primeira visita do ministro à região, desde o início dos combates mais recentes entre Israel e o grupo radical islâmico Hamas: até então ele se ativera à "diplomacia telefônica", fato criticado nos meios políticos alemães.

Recusa israelense

O anúncio da missão alemã veio apenas poucas horas após a aprovação da Resolução 1860 pelo Conselho de Segurança da ONU. Por 14 votos, de um total de 15, exige-se de Israel e do Hamas um cessar-fogo imediato e duradouro. Os Estados Unidos se abstiveram.

Steinmeier und Merkel

Steinmeier (e) e Merkel

Segundo Steinmeier, o resultado reflete a coesão da comunidade internacional na questão. Assim como o armistício temporário da última quarta-feira, o texto é um primeiro passo. Contudo, ele apenas mostra o caminho "de como chegaremos ao cessar-fogo", o que não significa que este tenha sido alcançado, alertou o político social-democrata.

Em sua primeira declaração oficial após a resolução da ONU, o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse que a ofensiva em Gaza será mantida. Ataques com mísseis por parte dos palestinos, nesta sexta-feira, haveriam provado que a exigência das Nações Unidas "não é praticável". O Estado continuará defendendo seus cidadãos contra as investidas de palestinos radicais, afirmou Olmert.

Cooperação franco-alemã

Uma segunda precondição para a viagem de Steinmeier foi o retorno de Andreas Michaelis, encarregado do Ministério alemão das Relações Exteriores para o Oriente Médio. Durante vários dias ele realizou uma missão de sondagem na região de crise. Segundo o Ministério, para o cessar-fogo é necessário o controle efetivo das fronteiras, a fim de evitar o contrabando de armas. Michaelis recolheu detalhes para este controle, os quais Steinmeier examinará, agora, do ponto de vista político.

Também decisivo para a missão foi o desejo de cooperação estreita expressado pela chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, na véspera, em Paris. Após o encontro, Merkel declarou: "A chave para o cessar-fogo é a segurança de Israel de que o contrabando armamentista cessará", sendo as fronteiras o local decisivo, "por isso decidimos trabalhar em conjunto com a França, precisamente neste local."

Sarkozy observou: "Israel deve receber garantias de segurança e abandonar a Faixa de Gaza". Além disso, deveria ser suspenso o bloqueio no território autônomo palestino.

Fica em aberto se a iniciativa implicará uma eventual mobilização de soldados alemães. Um porta-voz de Berlim declarou nesta sexta-feira que, em princípio, o governo alemão não se furtaria a uma participação. Porém uma presença in loco da Bundeswehr (Forças Armadas alemãs) não está sendo cogitada.

Leia mais