1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Steinmeier critica sistema antimísseis planejado pelos EUA

Ministro alemão das Relações Exteriores diz que governo norte-americano deveria ter consultado a Rússia sobre estacionamento de sistema antimísseis no Leste Europeu.

default

Ministro alemão duvida dos argumentos dos Estados Unidos

O ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, criticou os planos dos Estados Unidos para instalar um sistema antimísseis no Leste Europeu.

"Como as bases de estacionamento se aproximam da Rússia, a Rússia deveria ter sido consultada antes", disse Steinmeier em entrevista para a edição desta segunda-feira do jornal econômico Handelsblatt . Referindo-se à "natureza estratégica" desse tipo de projetos, o ministro defendeu um procedimento cuidadoso e um diálogo intensivo com todos os parceiros.

O líder da bancada verde no Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão), Fritz Kuhn, conclamou o governo a deixar claro à secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, que o projeto dos EUA enfrenta críticas na Europa. Rice participa de uma reunião do Quarteto do Oriente Médio, na próxima quarta-feira em Berlim.

A Rússia rejeita o projeto armamentista norte-americano. Na recente conferência sobre segurança em Munique, o presidente russo Vladimir Putin questionou o argumento do governo dos EUA de que o sistema antimísseis se destina à defesa contra possíveis ataques iranianos.

Também Steinmeier duvida que os mísseis iranianos realmente representem um perigo para a Europa. "Considerando os mapas sobre alcance dos mísseis e o estágio de desenvolvimento da tecnologia militar iraniana, este não é o caso", afirmou.

Steinmeier ressaltou que, apesar das duras crítica feitas por Putin aos EUA em Munique, não vê "sinais que indiquem uma mudança do comportamento russo em conflitos internacionais".

Segundo Kuhn, os planos dos EUA não foram discutidos na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). "Do jeito que os Estados Unidos estão procedendo, isso só pode ser interpretado pela Rússia como uma provocação", disse.

Leia mais