1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Steinbrück vai enfrentar Merkel na disputa pelo cargo de chanceler federal

Partido Social Democrata anunciará ex-ministro das Finanças como candidato na próxima semana. Steinbrück quer chefiar a Alemanha com um governo da coalizão verde-vermelha, formada em parceria com o Partido Verde.

O ex-ministro das Finanças Peer Steinbrück será o candidato a chanceler federal do Partido Social Democrata (SPD) nas eleições parlamentares alemãs de 2013. O presidente do partido, Sigmar Gabriel, informou nesta sexta-feira (28/09) que sugerirá a candidatura à direção do partido na próxima segunda-feira.

Os principais temas da campanha eleitoral deverão ser o "adestramento dos mercados financeiros" e um "novo equilíbrio social para a Alemanha", afirmou Gabriel. "E, para esse objetivo e essa tarefa, Steinbrück é o melhor chanceler federal que a Alemanha pode ter."

"Eu aceito o desafio", disse Steinbrück nesta sexta-feira em Berlim. O candidato tem o apoio de todo o partido e provavelmente enfrentará Angela Merkel em setembro de 2013, segundo Gabriel. A nomeação do candidato só estava prevista para o fim deste ano, mas a pressão dentro do partido para a escolha aumentou nos últimos dias.

Steinbrück disse que não quer substituir o governo de Merkel apenas "em parte", mas sim por um governo da coalizão verde-vermelha (SPD e Partido Verde). Ele quer lutar "200%" por um resultado eleitoral, "que nos colocará na posição estratégica de formar o próximo governo federal", declarou.

O nomeado Steinbrück, de 65 anos, é membro do SPD desde 1969 e considerado um homem de palavras claras. De 2002 a 2005, foi governador do estado da Renânia do Norte-Vestfália e, entre 2005 e 2009, ministro das Finanças da Alemanha. Desde então, é apenas deputado.

Além de Steinbrück e Gabriel, Frank-Walter Steinmeier – líder parlamentar dos social-democratas – fazia parte da chamada troika de possíveis candidatos do SPD. Há cerca de quatro semanas, Steinmeier renunciou à candidatura, alegando razões pessoais. E o próprio Gabriel declarou já no início deste ano ter decidido não se apresentar para a disputa da chancelaria federal.

LPF/afp/dpa
Revisão: Francis França

Leia mais