Soprano espanhola canta boleros ao ritmo de bossa nova | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 14.11.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Soprano espanhola canta boleros ao ritmo de bossa nova

Montserrat, soprano espanhola radicada no Brasil, experimenta em novo CD misturar a leveza da bossa nova com a dramaticidade do bolero. Em turnê pela Alemanha, a cantora falou com a DW-WORLD.DE.

default

CD de Montserrat: 'Boleros com Bossa'

A fusão de gêneros tão distintos como o bolero e a bossa nova não é uma tarefa fácil, já que o bolero condensa o prazer e o sofrimento do amor, sendo uma expressão musical típica da América de língua espanhola, enquanto a bossa nova é associada a melodias leves e descompromissadas.

Com raízes na contradança do século 17 e influências de ritmos folclóricos como a habanera e o danzón cubanos, o bolero recorre aos ritmos da música cigana, às palmas e às caixas do flamenco, fundindo-se com ritmos africanos, com a lírica italiana e com a zarzuela espanhola. De toda essa herança surge uma liturgia que canta o amor, na maioria das vezes não correspondido, traído ou perdido.

Em turnê pela Alemanha para apresentar seu último CD ( Boleros com Bossa), a soprano espanhola Montserrat, radicada no Brasil, apresenta ao público a leveza da bossa nova brasileira unida à dramaticidade do bolero. Segundo a cantora, seu trabalho não é composto de "boleros light", mas sim de canções interpretadas com forte emoção, com arranjos resultantes da interseção entre várias influências culturais. Leia abaixo entrevista com a cantora:

DW-WORLD.DE: Como você, uma soprano formada na Espanha, começou a se interessar por bolero e mais tarde pela bossa nova?

Montserrat: O bolero é um gênero musical com o qual tive contato desde pequena. Mais tarde, me formei em canto lírico. Em 2003, comecei a cantar boleros em homenagem à minha mãe. É no bolero que estão minhas emoções, meus sentimentos e minha relação com a minha própria memória musical, aquilo que corre pelas minhas veias. A bossa nova entrou na minha vida quando passei a viver no Brasil. Já admirava o gênero como um dos três grandes ritmos da América Latina, ao lado do tango e do bolero.

Depois de gravar meu primeiro disco em Cuba, junto de Pablo Milanés e integrantes do Buena Vista Social Club, tive a oportunidade de conhecer um dos papas da bossa nova: Roberto Menescal. Ou seja, o bolero aprendi como língua materna e a bossa é um idioma que aprendi, mas que também reflete o que sou.

O bolero é prazer e sofrimento, ou seja, paixão, enquanto a bossa é associada à leveza. E um bolero sem paixão não é bolero. Você combina os dois ao cantar e interpretar. O que cada gênero ganha e o que cada um perde nas suas interpretações?

Ambos se conjugam sem que seja preciso forçar qualquer coisa. É claro que nada parte do zero e que os gêneros se recriam mutuamente. O bolero está presente em muitos outros ritmos e aproveitou essas influências.

Montserrat, Boleros con Bossa

A cantora em Düsseldorf

Em Cuba, tive a oportunidade de conhecer César Portillo de la Luz, um dos grandes compositores cubanos contemporâneos e um dos iniciadores do bolero feeling, que não é outra coisa que uma fusão do bolero com o jazz, que, acredito eu, se complementam. Tento passar, através da leveza e suavidade da bossa nova, a emoção e a paixão do bolero, mas sem exageros. Tiramos um pouco da teatralidade do bolero, uma coisa que é natural da cultura hispânica.

Como surgiu o projeto de fundir o bolero com a bossa nova?

Foi quando Roberto Menescal me chamou porque precisava de alguém que falasse espanhol. É claro que o fato de eu falar português do Brasil influenciou muito. Eu já vivia no país, conhecia a bossa nova e tinha, segundo ele, uma voz que se moldava bem à bossa nova. Apesar de vir do canto lírico e ter muito vibrato. É a primeira vez que houve a junção de um grande ritmo hispano-americano com um grande ritmo brasileiro.

Penso que a roupagem brasileira caiu bem no bolero. E também aproveitar um pouco o swing da bossa nova. Além disso, o fluir do ritmo da bossa nos faz sentir que tudo é leve e maravilhoso e que sempre há esperança. O bolero sempre é mais intenso, mas é possível interpretá-lo tirando um pouco da carga dramática. Podemos dizer tudo o que o bolero diz sem que alguém tenha que cortar os pulsos.

Leia mais