1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Sony cancela estreia da comédia "A entrevista"

Sob ameaça de hackers, salas de cinema se recusam a exibir paródia sobre assassinato de ditador norte-coreano, o que obrigou o estúdio Sony Pictures a cancelar abruptamente a estreia marcada para o dia 25 de dezembro.

Film Still - The Interview

James Franco e Seth Rogen em "A entrevista"

O filme aborda um tema delicado. Dois jornalistas, encenados pelo americano James Franco e pelo canadense Seth Rogen, conseguem uma entrevista com o líder norte-coreano, e recebem a missão de assassiná-lo. Rogen também foi corroteirista da comédia dirigida por Evan Goldberg. No filme, o governante não se chama Kim Jong-un, mas se parece exatamente com o ditador.

Diante de ameaças terroristas feitas por hackers, a Sony Pictures cancelou nesta quinta-feira (18/12) a pré-estreia em Nova York e tambem a estreia oficial nos cinemas, dia 25 de dezembro. A decisão foi anunciada após a maioria das salas de cinema americanas ter declarado que não iria passar a trama ficcional sobre o assassinato do ditador.

Em comunicado, a Sony Pictures afirmou: "Respeitamos e entendemos a decisão dos nossos parceiros e, naturalmente, partilhamos do seu interesse superior na defesa dos funcionários e frequentadores das salas de espetáculo".

Kim Jong Un Versammlung Koreanische Volkspartei 05.11.2014

Aqui se vê o verdadeiro Kim Jong-un: governo norte-coreano diz que filme é ação terrorista

O nervosismo em torno do filme seguiu-se após avisos de um grupo de hackers, intitulado Guardiões da Paz, evocando o 11 de setembro de 2001, nos EUA, como aviso para quem fosse prestigiar a comédia da Sony Pictures.

Em mensagem escrita, o grupo advertiu que "um amargo destino" esperava aqueles que fossem assistir ao filme. "Brevemente, todo o mundo vai ver um filme horrível que a Sony Pictures Entertainment fez. O mundo vai estar cheio de medo", advertiu o grupo na mensagem.

Medidas de retaliação

A atual decisão da Sony foi tomada após um ataque de hackers ter paralisado, em grande parte, a rede interna da empresa. Os hackers copiaram dados internos e documentos, vazando-os posteriormente na internet.

Entre esses dados estavam e-mails, informações sobre salários de funcionários e também cópias de diversos filmes, inlcuindo Corações de Ferro, estrelado por Brad Pitt, e a comédia Annie, cuja estreia está marcada para esta sexta-feira.

O vazamento de informações e e-mails ainda causou mal-estar com estrelas como Angelina Jolie e Jennifer Lawrence. Os hackers também roubaram o script do novo filme da franquia James Bond, que será lançado em novembro de 2015.

Embora o pouco conhecido Guardiões da Paz tenha assumido a autoria das ameaças, segundo o jornal New York Times, o governo americano responsabiliza a Coreia do Norte pelo roubo dos dados e pelo vazamento na web. O país do Leste Asiático nega as acusações.

Também ainda não está confirmada a autoria das ameaças terroristas. Em junho deste ano, um comunicado do Ministério do Exterior norte-coreano informou que "caso as autoridades americanas tolerem e promovam a apresentação do filme, isso será um convite a duras e impiedosas medidas de retaliação".

CA/lusa/dpa

Leia mais