1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Sons incomuns" teriam sido registrados a bordo de avião no Egito

Segundo uma pessoa próxima à investigação do desastre aéreo na Península do Sinai, ruídos não característicos de um voo normal foram ouvidos na cabine do Airbus. Peritos egípcios analisam caixas-pretas.

Sons incomuns foram ouvidos a bordo do avião russo que caiu no Egito no último fim de semana, informou nesta terça-feira (03/11) a agência de notícias russa Interfax, citando uma pessoa próxima à investigação no Cairo.

"Antes do desaparecimento do avião dos radares, foram registrados sons que não são característicos de um voo normal", disse a pessoa citada pela agência. Pouco antes teria sido ouvida uma conversa normal entre pilotos e controladores de voo, sem indícios de irregularidades.

Investigadores egípcios começaram nesta terça-feira a analisar as duas caixas-pretas do Airbus A321 da empresa Kogalymavia, que caiu na Península do Sinai no último sábado, causando a morte de todas as 224 pessoas a bordo. O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, disse que a análise deve levar muito tempo.

Sisi: Reivindicação é "propaganda"

Sisi chamou de "propaganda" a reivindicação feita por um grupo ligado ao autoproclamado "Estado Islâmico", que disse ter abatido o avião russo.

"Quando há a propaganda de que caiu por causa do 'Estado Islâmico' é uma forma de prejudicar a estabilidade e segurança do Egito, e a imagem do país", disse Sisi à emissora BBC. A segurança na Península do Sinai está "totalmente sob controle", reiterou.

Um grupo radical egípcio sediado no Sinai e aliado do "Estado Islâmico" reivindicou responsabilidade pela queda do avião, dizendo tê-lo derrubado em resposta à intervenção militar russa na Síria.

O Ministério de Aviação Civil do Egito informou nesta terça-feira que não há fatos para fundamentar afirmações feitas por autoridades russas de que a aeronave se partiu no ar. O porta-voz Mohamed Rahmi confirmou que não houve pedido de socorro antes da queda, que deixou espalhados por mais de 3 quilômetros os destroços do Metrojet Airbus 321.

"Este pode ser um longo processo, e não podemos falar sobre os resultados enquanto continuamos", disse Rahmi.

No entanto, o não recebimento de um pedido de socorro e o fato de os destroços estarem espalhados por uma grande área sugerem, para muitos especialistas, uma queda abrupta. Teorias variam de um ataque a míssil a falhas estruturais.

Flash no céu

Um satélite militar americano detectou um "flash" no céu no momento do incidente com o avião. Mas, segundo o canal CNN, uma análise de inteligência americana descartou que esse flash poderia ter sido provocado por um míssil atingindo a aeronave.

Nesta terça-feira, a Rússia continuou a transportar para São Petersburgo corpos de vítimas da tragédia. "Faremos esse trabalho todos os dias, até que todos os mortos e seus pertences tenham sido trazidos de volta", disse o vice-presidente da Agência Russa de Proteção Civil, Vladimir Stepanov.

Até o momento, 140 corpos e mais de 100 partes de corpos foram transportados para São Petersburgo em dois aviões do governo russo. Os primeiros dez corpos foram identificados pelas famílias das vítimas nesta terça-feira. A maioria dos passageiros a bordo do Airbus eram russos que voltavam para casa após férias no Egito.

LPF/dpa/ap/afp

Leia mais