Sonidos de la Tierra: do Paraguai para a Europa, o Mozart que veio do lixo | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 30.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Sonidos de la Tierra: do Paraguai para a Europa, o Mozart que veio do lixo

"Quem toca Mozart durante o dia não quebra janelas durante a noite." Com essa convicção, o regente Luis Szarán criou no Paraguai uma orquestra clássica com meninos de ruas que constroem seus próprios instrumentos.

default

Dois violinistas do projeto

Dez jovens músicos paraguaios realizam turnê pela Europa. Concentrados, os adolescentes de 14 a 19 anos ensaiam o Pequeno serão musical de Wolfgang Amadeus Mozart para a apresentação da noite em Berlim, neste domingo (30/05). Eles tocam no que soa quase como violinos, um contrabaixo ou uma flauta comuns. Porém as cores vivas chamam a atenção do observador atento: trata-se de instrumentos musicais construídos a partir de materiais reciclados.

"Sons da Terra"

Gruppe der jungen Musiker aus Paraguay

Os jovens músicos paraguaios diante do Reichstag, em Berlim

Juan percute numa radiografia, esticada num anel de madeira encontrado no lixo. A chapa radiográfica produz um bom som, explica o adolescente de 14 anos. Os dois violinistas tocam em velhas panelas, usando colherinhas para afinar. A flauta transversa é construída com uma calha de chuva, as chaves são feitas de moedas.

Mauro, de 16 anos, teve dificuldades ao passar pelos controles do aeroporto com seu contrabaixo, pois o corpo do instrumento era originalmente um barril onde se armazenavam produtos químicos. "Eles fizeram o maior 'auê' no aeroporto, pensavam que se pudesse atear fogo, ou que fosse uma bomba", conta, achando graça.

"Sonidos de la Tierra" é como se intitula o projeto de inclusão social que ensina crianças e jovens desfavorecidos a tocar um instrumento musical. Luis Szarán, de 56 anos, regente premiado internacionalmente e diretor da Orquestra Sinfônica de Assunção, deu partida à ideia em 2002, visando alcançar os mais pobres entre os pobres, inclusive vários meninos de rua. "Quem toca Mozart durante o dia não quebra janelas durante a noite" – era o seu ponto de partida.

Luis Szarán

Maestro Luis Szarán

"Uns 20% dos alunos do projeto viveram nas ruas ou no campo, nas condições mais miseráveis", revela o homem de cabelos brancos a quem os músicos se dirigem respeitosamente de "maestro". Atualmente há 12 mil jovens envolvidos. Szarán diz ter-se inspirado em projetos semelhantes na Costa Rica e na Venezuela, porém a ideia de construir os instrumentos a partir do lixo nasceu no Paraguai.

"Um pai de um bairro pobre queria participar de todo jeito. Assim, trouxe uma velha panela e fez dela um violino." De início, todos riram, revela o maestro. "Mas depois experimentamos o instrumento e notamos que era perfeitamente possível um criança ter com ele suas primeiras lições, com toda a dignidade."

Entre a vida e a morte

Outras organizações humanitárias estabelecem o contato entre Sonidos de la Tierra e os menores de rua. Alguns dos funcionários primeiro moraram numa barraca com as crianças, na rua, dormiam no mesmo ambiente que elas, observavam-nas. Dessa forma ficaram conhecendo o seu mundo, seus códigos e sua linguagem.

Klarinette aus Müll gebastelt

Clarinete feito com materiais reciclados

A taxa de sucesso – ou seja, quantos, dentre os meninos selecionados, permaneceram no projeto e aprenderam um instrumento musical – é de 50%, aproximadamente, revela Szarán. Nem todos seguiram mais tarde a profissão de músico. Porém foram reconduzidos à vida, concluíram a escola e foram procurar emprego.

O maestro conta o caso de dois irmãos cujo pai sofria de alcoolismo e espancava a mãe. Um dia o mais velho, de 8 anos, disse ao irmão de 6 anos: "Não aguento mais, vamos morar na rua", e ambos partiram. Szarán os conheceu seis anos mais tarde. "Eles já tinham passado por tudo: primeiro mendigar, depois roubar, por fim o mais velho já estava vendendo drogas". Este já estava praticamente perdido, mas o caçula, de 12 anos queria se salvar. Atualmente ele trabalha como professor de violino. Seu irmão perdeu a vida numa briga entre duas gangues rivais.

Pelos olhos de um músico

O grupo que atualmente faz turnê pela Alemanha reúne os alunos mais talentosos, comenta Luis Szarán, não sem uma ponta de orgulho. Todos dizem querer tornar-se músicos profissionais. O flautista Diego, de 17 anos, exclama: "Estou infinitamente grato por poder ver a vida pelos olhos de um músico. Assim, ela é tão mais intensa e apaixonada!".

No concerto em Berlim, os jovens do Sonidos de la Tierra apresentam um programa variado, reunindo peças clássicas e sons tradicionais do Paraguai. A julgar pelo seu desempenho, não há nada que os impeça de realizar o sonho de viver como músicos.

Autor: Tini von Poser (AV)
Revisão: Alexandre Schossler