Somália diz ter matado líder da Al Qaeda na África Oriental | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Somália diz ter matado líder da Al Qaeda na África Oriental

Fazul Abdullah Muhammad é apontado como o responsável pelos atentados às embaixadas dos EUA em Nairobi e Dar es Salaam em julho de 1998. Os ataques deixaram mais de 200 mortos.

default

Fazul Abdullah Mohammed em foto de maio de 2004

O suposto líder da Al Qaeda na África Oriental, Fazul Abdullah Muhammad, ligado aos atentados contra as embaixadas norte-americanas em Nairóbi e Dar es Salaam, foi morto na quarta-feira em Mogadíscio, afirmaram neste sábado (11/06) membros do governo de transição da Somália.
"Confirmamos através de testes de DNA feitos por nossos parceiros que se trata definitivamente de Fazul Abdullah", um oficial da Agência Nacional de Segurança da Somália disse à agência de notícias AFP. A mesma informação foi confirmada por fontes do governo somali à Reuters.
O chefe da polícia queniana Mathew Iteere disse à AFP ter recebido a informação das autoridades somalis. "Disseram-nos que dois terroristas tinham sido mortos na Somália na quarta-feira. Foram identificados como Fazul Mohammed e Ali Dere."
Segundo os serviços de segurança do governo de transição somali, dois presumíveis membros dos shebab (radicais islâmicos somalis) foram mortos na noite de terça-feira para quarta-feira no norte da capital Mogadíscio, em confronto numa barreira rodoviária.
Um líder dos shebab, que não quis ser identificado, disse à AFP que um dos mortos era Fazul Abdullah, que era procurado há 10 anos pelos Estados Unidos, que ofereciam recompensa de 5 milhões de dólares por informações que pudessem levar à sua captura.
Além de ser apontado como o responsável pelos atentados contra as embaixadas norte-americanas em Nairóbi e Dar es Salaam, que causaram 240 mortos em julho de 1998, ele estava ainda envolvido nos atentados anti-Israel em Mombasa, que deixaram 15 mortos em 28 de novembro de 2002.
AS/lusa/afp/rtr
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais