Solução para panes está em mix energético, dizem especialistas alemães | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Solução para panes está em mix energético, dizem especialistas alemães

Especialistas alemães afirmam que a distância de Itaipu dos centros urbanos e a grande dependência da energia hidrelétrica contribuem para a ocorrência de blecautes no Brasil.

default

Blecaute atingiu 18 estados brasileiros

De acordo com especialistas alemães do setor de energia, o Brasil poderia ficar menos vulnerável a apagões, caso tivesse uma maior variedade de fontes energéticas e dispusesse de usinas produtoras de eletricidade mais próximas dos grandes centros urbanos.

O Brasil viveu horas de pânico na madrugada de terça-feira (10/10) para quarta-feira, quando regiões e cidades em 18 estados do país ficaram sem energia elétrica durante horas. Segundo o Ministério das Minas e Energia, o apagão se deveu a problemas nas linhas de transmissão.

Distância dos centros

Para o diretor do Instituto de Tecnologia Energética da Universidade de Bochum, Hermann-Josef Wagner, um dos problemas brasileiros é a dependência de uma só fonte de energia. "Mais de 80% da energia consumida no Brasil vem de usinas hidrelétricas", explicou, acrescendo que por esse motivo a fonte de geração fica distante dos centros urbanos, fazendo com que sejam necessárias longas redes de transmissão, como é o caso de Itaipu.

Wagner acha que o governo deveria investir na diversificação de suas opções energéticas. "O Brasil deveria ampliar suas fontes, seja acoplando, por exemplo, usinas convencionais acionadas por combustível fóssil ou mesmo energia nuclear à sua rede de distribuição", disse.

Ele mesmo viveu o problema na própria pele, quando visitou o Brasil há sete anos. "Estava no país quando houve um blecaute, em 2002", recorda. "Mas naquela época, o problema foi o período de poucas chuvas. A escassez de água atingiu o fornecimento de eletricidade e o povo foi incentivado a poupar energia", lembra.

Altos custos subterrâneos

Wasserkraftwerk Itaipu - größtes Bauwerk der Welt Flash-Galerie

A hidrelétrica de Itaipú gera cerca de 20% da energia consumida no Brasil

O professor de economia energética da Universidade Jacobs de Bremen, Wolfgang Pfaffenberger, concorda que as grandes distâncias são um empecilho. Para ele, o problema dos apagões é inevitável nessas condições. "Itaipu produz enormes quantidades de energia, mas está a uma distância muito grande de São Paulo e Rio. Nesse caso, problemas com as linhas de transmissão são normais", afirmou.

"Blecautes são é um risco que se corre quando a rede é aérea, como no Brasil", afirmou o alemão, que já esteve em Itaipu e conhece os equipamentos da usina. Ele afirma que a tecnologia utilizada pela hidrelétrica é uma das mais modernas que existem. "O Brasil dispõe de uma rede de distribuição de alta tensão muito moderna, mais que a europeia", ressaltou.

No entanto, ele considera uma saída inviável a instalação de cabos de distribuição subterrâneos, como os existentes na Europa. "Os custos seriam muito altos, em distâncias imensas como as brasileiras, os investimentos seriam cerca de cinco a seis vezes maiores, o que não compensa em um sistema que dispõe de uma energia a um preço muito baixo".

Necessidade de mix energético

Pfaffenberger recomenda um melhor mix energético, lançando mão de outras fontes geradoras de energia e usinas mais próximas dos centros urbanos, sejam elas de combustível fóssil ou mesmo nuclear. "Os brasileiros têm que pensar sobre isso, investir em outras soluções, apesar de a água ser uma fonte barata e renovável, principalmente se um aumento do consumo de energia é esperado nos próximos anos”, completou.

Ele compara a situação brasileira com problemas enfrentados pelos europeus. "Regiões no sul da França já chegaram a ficar várias semanas sem energia, localidades na Suécia também chegaram a ter uma interrupção de seis semanas no inverno”, observou.

Autor: Márcio Damasceno

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais