1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Soldados são alvos em atentados no Egito

Ataques em postos de controle na Península do Sinai causam morte dezenas de militares, civis e militantes do "Estado Islâmico". Em Cairo, forças de segurança matam nove membros da organização radical Irmandade Muçulmana.

Confrontos entre militantes da organização terrorista do "Estado Islâmico" (EI) e soldados egípcios na Península do Sinai, no norte do Egito, deixaram mais de 100 pessoas mortas, afirmou o Exército do país. Autoridades militares afirmaram, nesta quarta-feira (01/07), que 17 soldados, incluindo quatro policiais, e mais de 100 extremistas foram mortos.

No entanto, citando autoridades locais, relatos da imprensa egípcia e de agências de notícias divulgaram um número muito maior de soldados mortos nos combates. Os ataques ocorreram ao sul da cidade de Sheikh Zuweid, perto da fronteira com Israel, e tiveram como alvo cinco postos de controle militar. Os atentados foram reivindicados pelo ramo egípcio do EI.

Apesar de o porta-voz do Exército, brigadeiro-general Mohammed Samir, ter dito à televisão estatal que a situação está "100% sob controle", testemunhas relataram que ainda há militantes jihadistas perambulando pelas ruas da cidade do norte, entrando em confronto com forças de segurança.

Os extremistas, baseados na região rebelde e que juraram lealdade ao EI no fim de 2014, aumentaram o número de ataques depois que os militares derrubaram o presidente islamita Mohamed Morsi em julho de 2013. Desde então, pelo menos 600 policiais e membros das Forças Armadas foram mortos.

Membros da Irmandade Muçulmana mortos em Cairo

Num desenvolvimento separado, também nesta quarta-feira, autoridades de segurança disseram que nove membros da Irmandade Muçulmana, organização islâmica radical banida no Egito, foram mortos durante uma batida policial num apartamento em Cairo.

Um dos mortos é o advogado e ex-parlamentar Nasser al-Hafi. Ele havia sido sentenciado à morte à revelia por um tribunal penal no mês passado por acusações relacionadas a uma fuga de presos em massa durante o levante do país contra o ex-presidente Hosni Mubarak em 2011.

Os ataques desta quarta-feira ocorreram dois dias depois de o

procurador-geral do Egito, Hisham Barakat, ter sido morto num atentado a bomba

. Barakat foi o promotor responsável por levar a julgamento milhares de partidários de Mohamed Morsi – centenas deles foram condenados à morte.

PV/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais