Socialistas espanhóis abrem caminho para formação de governo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Espanha

Socialistas espanhóis abrem caminho para formação de governo

Após dez meses de impasse político, comitê federal do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) decide abster-se de votação para que o conservador Mariano Rajoy assuma novamente o governo.

Spanien Madrid Ministerpräsident Mariano Rajoy (picture-alliance/AP Photo/F. Walschaerts)

Mariano Rajoy deverá assumir novamente governo da Espanha

Neste domingo (23/10), fontes do comitê federal do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) revelaram que o órgão decidiu, por 139 votos contra 96, pela abstenção do partido a uma nova candidatura à chefia de governo por parte de Mariano Rajoy, líder do Partido Popular (PP). 

O Congresso dos Deputados (Parlamento) deverá reunir-se a partir de quarta-feira, esperando-se que uma primeira votação na quinta-feira impeça a investidura do líder do PP que, no entanto, passaria na segunda votação, prevista para sábado, com a abstenção dos deputados socialistas.

Uma vez conhecida a posição do PSOE, que evitará a realização de novas eleições gerais dentro de um ano, o rei Felipe 6° receberá na segunda e terça-feira os representantes dos partidos com assentos no Parlamento para verificar se há condições para apresentar um candidato à investidura, devendo propor a Rajoy que forme um governo antes do final do mês.

No caso de um novo governo não entrar em funcionamento até ao fim deste mês, Felipe 6° teria de dissolver o Parlamento e marcar novas eleições.

Fim de uma era?

A reunião do PSOE demorou quatro horas e decorreu de uma forma mais pacífica do que se previa inicialmente. No início de outubro, Pedro Sánchez demitiu-se como secretário-geral do PSOE, depois de ter defendido com firmeza o "não" a Rajoy contra os partidários da "abstenção" que acabaram por sair vencedores.

Os defensores do "não" receiam que a decisão dos socialistas possa significar que a coligação de partidos radicais de esquerda Unidos Podemos, a terceira força mais votada, passe a liderar a oposição ao PP.  O líder provisório do PSOE, Javier Fernandez, tem insistido que "abstenção não significa apoiar" o novo governo.

O PP foi o partido mais votado em 20 de dezembro de 2015 e em 26 de junho último, mas sem maioria absoluta ou os apoios necessários para formar um governo.

O secretário-geral do Podemos, Pablo Igresias, considerou neste domingo que a decisão do PSOE de abster-se na segunda votação de investidura de Mariano Rajoy aponta para o "fim da alternância de poder como sistema partidário" e abre caminho para a "grande coalizão como alternativa".

CA/efe/lusa/rtr

Leia mais