1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Sociais-democratas de Viena se mantêm no poder

O maior susto passou: partido populista de direita FPÖ fica fora do governo da capital austríaca, apesar de instrumentalizar a crise dos refugiados em sua campanha. Premiê Faymann satisfeito com vitória da "decência".

default

Prefeito de Viena Michael Häupl (esq.) e chefe do FPÖ, Heinz-Christian Strache após resultados

Apesar de algumas perdas, o Partido Social-Democrata da Áustria (SPÖ) defendeu o posto que ocupa há 70 ano, permanecendo como principal força política de Viena. Ainda assim, os 39,4% dos votos conquistados na eleição municipal deste domingo (11/10) são o pior resultado da história do partido, significando uma perda de 4,9 pontos percentuais em relação ao pleito de 2010.

Para boa parte dos eleitores vienenses, a maior – e surpreendente – vitória da presente eleição foi ter sido evitada a vitória do Partido da Liberdade (FPÖ). O grupo populista de direita alcançou o melhor resultado de sua história, com 32,3% (um acréscimo 6,5 pontos). Ainda assim, ficou aquém das pesquisas de intenção de voto, que previam uma competição apertada com o SPÖ, e continuará fora da coalizão de governo da capital.

A campanha do FPÖ foi basicamente calcada no mal estar em torno da crise migratória e a presença maciça dos refugiados do Oriente Médio. Prometendo combate à "islamização" e defesa dos valores cristãos, o líder Heinz-Christian Strache ostentava slogans como "Segurança para nossos cidadãos em vez de fronteiras abertas para criminosos". Entre outras medidas, o político de 46 anos reivindica o erguimento de uma cerca entre a Áustria e a Hungria.

Demo zur Solidarität mit Flüchtlingen in Wien

Passeata em 3 de outubro: maioria dos vienenses ainda apoia a causa dos refugiados

"Decência vale a pena"

Segundo especialistas, os resultados em Viena são também um termômetro para o clima no restante da União Europeia, sobretudo em relação à crise migratória e a política de asilo. Nesse aspecto, o atual prefeito, Michael Häupl, no cargo desde 1994, adotou o curso oposto ao de Strache, apelando em sua campanha para que se tenha "um coração para os refugiados" e criticando a "política vergonhosa" do FPÖ.

Ainda diante dos resultados parciais e apesar do recuo de seu partido, o chanceler federal da Áustria e líder social-democrata Werner Faymann declarou-se satisfeito com o resultado da eleição. "Decência vale a pena", comentou. Os sociais-democratas têm governado a capital austríaca ininterruptamente desde o fim de Segunda Guerra Mundial. Em 2010 perderam a maioria absoluta.

A grande distância entre os dois protagonistas e os demais concorrentes no escrutínio deste domingo já era prevista. Em terceiro lugar, Os Verdes de Viena tiveram 11,1% dos votos – uma perda de 1,5 pontos percentuais em relação ao pleito anterior. Desde 2010, o partido governa Viena em coalizão com o SPÖ. Juntos, verdes e "vermelhos" passarão a ocupar 53 das 100 cadeiras do Parlamento municipal.

O conservador Partido Popular Austríaco (ÖVP), do governador do estado da Alta Áustria Josef Pühringer, caiu 5,3 pontos, ficando com 8,7% dos votos. O liberal Neos alcançou 6,2%, conquistando, assim, pela primeira vez, o ingresso na prefeitura vienense. Cerca de 1,3 milhão de eleitores estavam convocados às urnas.

AV/afp/rtr/dpa

Leia mais