Sob pressão do BCE, Itália aprova medidas duras para equilibrar contas | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 13.08.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sob pressão do BCE, Itália aprova medidas duras para equilibrar contas

Pacote anunciado pelo primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, inclui aumento de impostos e cortes nos gastos públicos. Governo calcula que ajustes ajudarão a economizar 45,5 bilhões de euros.

epa02834639 Italian Prime Minister Silvio Berlusconi arrives at a eurozone heads of state meeting at the european council headquarters in Brussels, Belgium 21 July 2011. European leaders are meeting to hammer out a deal on a second bailout for Greece and consequently halt the debt crisis from spreading to Spain and Italy, two of the 17-member eurozones biggest economies. EPA/OLIVIER HOSLET

Anúncio é feito com 'coração sangrando', diz Berlusconi

O governo italiano anunciou nesta sexta-feira (13/08) a adoção de medidas austeras drásticas, incluindo aumento de impostos e corte de gastos públicos, para tentar equilibrar suas finanças até 2013 – um ano antes do planejado inicialmente. O plano de ajuste orçamentário pretende recuperar 45,5 bilhões de euros – sendo 20 bilhões em 2012 e 25,5 bilhões no ano seguinte.

O pacote anunciado pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi após encontro emergencial com seu gabinete de governo precisa ser aprovado nos próximos 60 dias pelo parlamento italiano, que também poderá fazer alterações.

Entre as medidas, está a criação do chamado "imposto de solidariedade", que taxa em 5% rendas acima de 90 mil euros e, em 10%, os que receberem mais de 150 mil euros. Também haverá maiores taxações sobre investimentos financeiros, ações para evitar a evasão de divisas e cortes nos gastos do governo, inclusive com a redução do número de políticos locais.

São previstas fusão de províncias e de municípios, a antecipação para 2016 do aumento progressivo da idade de aposentadoria das mulheres para 65 anos e cortes de 50 mil postos nas administrações central e regionais.

No mês passado, sob forte pressão dos mercados, a Itália já havia anunciado a necessidade de adotar medidas para diminuir os gastos públicos a fim de ajustar o orçamento do país até 2014. Segundo o ministro italiano de Finanças, Giulio Tremonti, com as novas providências, o déficit público deverá cair dos 3,8% este ano para 1,4% no ano que vem, zerando até 2013.

Coração sangrando

Tremonti: pacote quer zerar déficit público até 2013

Tremonti: pacote quer zerar déficit público até 2013

Berlusconi disse sentir seu "coração sangrar" ao concordar, ainda que relutantemente, com o aumento de impostos no país. "Nossos corações estão sangrando. Este governo tinha se vangloriado de nunca ter colocado as mãos nos bolsos dos italianos. Mas a situação mundial mudou, estamos enfrentando o maior desafio global", declarou o primeiro-ministro.

O governo italiano aprovou o pacote de medidas austeras sob forte pressão do Banco Central Europeu (BCE), que impôs o ajuste das contas internas do país como condição para comprar seus títulos públicos. A Itália tem uma das maiores dívidas públicas do mundo – equivalente a 120% de seu PIB.

"Este programa vai ao encontro do que o BCE recomendou. Depois de se concentrar na Grécia, a especulação financeira estava se concentrando em nossa direção. Nesta situação, não havia o que fazer, a não ser procurar a intervenção do banco europeu", disse Berlusconi. "Então decidimos ir ao encontro das demandas que a instituição nos fazia, para que ela se justifique frente a outros países europeus, particularmente Alemanha, Holanda e Finlândia, por estar gastando dinheiro público", acrescentou.

Os custos de empréstimos do país aumentaram recentemente depois que investidores passaram a vender títulos italianos, preocupados com a saúde financeira da terceira maior economia da zona do euro.

Sindicatos italianos prometem fazer barulho contra aprovação do pacote

Sindicatos italianos prometem fazer barulho contra aprovação do pacote

Oposição ao plano

Antes mesmo do anúncio do primeiro-ministro italiano, sindicatos do país prometeram forte oposição contra o pacote, que afetará duramente a população, inclusive aposentados.

"O aumento de impostos certamente não vai ajudar a economia, que já está estagnada, e a confiança do consumidor certamente também vai cair", avaliou Raj Badiani, economista da consultoria IHS Global Insight.

Na visão da analista Chiara Corsa, da UniCredit em Milão, o plano "não é perfeito, mas provavelmente é o melhor que poderíamos esperar diante desta atual situação política e considerando que eles tiveram que reformular tudo em uma semana".

MS/rts/afp/lusa
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais