1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sob pressão, China corta juros para estimular economia

Após forte queda das bolsas, Pequim volta a reduzir taxas. Até agora, medidas do governo não conseguiram diminuir temores quanto à desaceleração econômica. Brasil está em situação vulnerável, diz economista.

Os mercados financeiros chineses continuaram operando em queda nesta terça-feira (25/08), elevando temores de que as turbulências na China possam se alastrar para outras economias. Após um recuo de mais de 8% na segunda-feira, a bolsa de Xangai voltou a fechar em queda, de mais de 7% – as maiores perdas diárias desde a crise financeira mundial de 2007. Em resposta, Pequim voltou a reduzir a taxa básica de juros.

Na tentativa de estimular a economia e conter a queda das bolsas, esta foi a quinta redução de juros anunciada pelo Banco Popular da China (banco central chinês) desde novembro do ano passado e a segunda em dois meses.

A partir desta quarta-feira, a taxa de empréstimos e a taxa de depósitos, para o período de um ano, vão diminuir em 0,25 ponto percentual. Por meio do desestímulo às aplicações financeiras, o objetivo é incentivar que os recursos em poder de investidores sejam destinados ao comércio e à produção industrial e agrícola.

O Banco Popular também anunciou em seu site a redução da taxa de depósito compulsório – a cifra que os bancos são obrigados a reter como reserva – em 0,5 ponto percentual, para 18%. A taxa se aplicará à maioria dos bancos, a partir de 6 de setembro.

Nas últimas semanas, o governo chinês vem adotando uma série de medidas para tentar controlar as bolsas do país, incluindo a compra de ações e proibição de grandes investidores de empresas listadas de venderem ações. No último fim de semana, Pequim havia permitido que os fundos de pensão do país investissem no mercado de ações pela primeira vez.

No entanto, até agora, as medidas não conseguiram restaurar a confiança dos investidores e conter temores em relação à desaceleração chinesa.

Na segunda-feira,

não apenas as bolsas chinesas, mas também asiáticas, europeias e americanas operaram em baixa

. Nesta terça, a bolsa de Xangai fechou novamente em forte queda, de mais de 7%, e o índice Nikkei, de referência na bolsa de Tóquio, recuou 3,96%. Mas no restante da Ásia, a situação se acalmou. O Ibovespa também se recuperou, registrando alta de 2% no fim da manhã.

Brasil particularmente vulnerável

A segunda maior economia do mundo cresceu, de janeiro a junho deste ano, 7% em relação ao primeiro semestre de 2014. No entanto, o crescimento foi o mais fraco dos últimos 25 anos.

A vulnerabilidade de mercados emergentes à desaceleração da economia chinesa aumentou significativamente ao longo da última década. O país asiático se tornou um importante motor de crescimento para a economia global e também é uma fonte-chave de demanda por commodities, aponta o economista Rajiv Biswas, da consultoria IHS.

Atualmente, o gigante asiático é responsável por 15% do desempenho da economia mundial e contribuiu com até metade do crescimento global nos últimos anos. Além disso, a China é o maior parceiro comercial de uma série de países.

Outras economias de peso viram suas exportações diminuírem diante de uma demanda chinesa mais fraca. A redução do crescimento econômico chinês também contribuiu para uma queda dos preços das commodities, como cobre e petróleo, afetando países exportadores.

"A fraca demanda chinesa por petróleo está provocando um excesso de oferta em mercados globais, o que pressiona para baixo os preços, abalando as perspectivas de crescimento para economias de mercados emergentes exportadores de petróleo", destaca Biswas.

O Brasil está numa posição particularmente vulnerável por ser um importante exportador de commodities, como minério de ferro e soja, para a China e por sua economia já estar em recessão, aponta o economista. Chile, Rússia e África do Sul, também exportadores de commodities, são outros dos países vulneráveis.

A tendência de queda das bolsas chinesas acontece em meio a uma fase da política chinesa na qual o governo tenta dar um novo rumo à economia – fazendo com que o crescimento não seja mais impulsionado por exportações e investimentos, mas sim pelo consumo.

Analistas apontam que o governo chinês dispõe de ferramentas e recursos para lidar com os problemas econômicos. Para Stefan Grosse, da consultoria Nord LB, o banco central ainda tem bastante margem de manobra em relação às taxas de juros e ao depósito compulsório. No entanto, enquanto não houver evidências de uma volta por cima da economia, o mercado de ações chinês deve continuar sob pressão, aponta Biswas.

LPF/dw/abr

Leia mais