1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Situação da população afegã se agrava, diz ONG alemã

Ação Agrária Alemã exige providências que garantam o acesso das organizações de ajuda humanitária aos necessitados

default

Ninguém sabe quantas pessoas andam de uma parte para outra no Afeganistão, em busca de água e algo para comer

A já difícil situação do povo no Afeganistão, há três anos assolado pela seca, agravou-se ainda mais, desde que os EUA iniciaram os bombardeios no país, um mês atrás, afirma a Ação Agrária Alemã. A ONG de ajuda humanitária apelou a todos os envolvidos na guerra que assegurem às organizações de ajuda o acesso à população necessitada. Para Volker Hausmann, diretor da entidade, essa é uma tarefa da "coalizão internacional antiterrorismo".

Erhard Bauer, coordenador dos trabalhos da Ação Agrária Alemã no Afeganistão, atualmente estacionado em Peshawar, no Paquistão, alertou para a urgência, considerando que dentro de no máximo três semanas os habitantes das regiões montanhosas estarão isolados pela neve, impedidos de receber qualquer ajuda.

Os governos envolvidos é que deveriam decidir se a melhor forma de assegurar a ajuda humanitária seria suspender os bombardeios ou a criação de zonas de segurança para a população civil, salienta a Ação Agrária Alemã.

Maioria dos refugiados vagueia pelo país

Segundo Bauer, que veio por alguns dias para a Alemanha, não houve o temido movimento em massa de refugiados para os países vizinhos. A maioria vagueia de uma parte para outra do Afeganistão, em busca de água e algo para comer. Ninguém sabe ao certo o número de deslocados; os cálculos variam entre 500 mil e 5 milhões.

O trabalho das organizações de ajuda humanitária prossegue, assegurou Bauer, embora os voluntários estrangeiros tenham deixado o Afeganistão. Os funcionários afegãos continuam em ação, nas mais difíceis condições e sem a menor chance de conseguir fornecer as 2000 toneladas de alimentos que são necessárias diariamente para impedir que milhares morram de fome. Segundo a Organização das Nações Unidas, o número de pessoas atingias pela escassez de alimentos no Afeganistão sobe a 7,5 milhões.