1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Sistema Iron Dome faz israelenses quase esquecerem perigo dos mísseis

Com taxa de sucesso de até 90%, sistema antimísseis é considerado um bem estratégico para Israel, dando grande margem de vantagem sobre o Hamas. Mas eficácia do Iron Dome também pode incentivar imprudência da população.

Israel possui atualmente sete baterias do sistema antimísseis Iron Dome (Cúpula de Ferro). Na última quinzena, elas têm operado em capacidade máxima, interceptando mísseis disparados pelo grupo fundamentalista Hamas a partir da Faixa de Gaza.

Apenas a produção de cada unidade do sistema custa aproximadamente 50 milhões de dólares, e cada míssil palestino interceptado custa a Israel outros 20 mil dólares. O Iron Dome explode os projéteis antes que toquem o solo ou os desvia para o mar ou para campos despovoados. Até o momento, o sistema tem tido uma taxa de sucesso entre 85% e 90%, e alguns especialistas estão preocupados com tamanha eficiência. Ela poderia levar parte dos israelenses a se sentirem seguros ao ouvir as sirenes de alerta, informando que um míssil está a caminho.

"Eu diria que é verdade, em grande parte dos casos. Há complacência, as pessoas não entram em pânico e tendem a negligenciar o alarme. No entanto, ninguém prometeu 100% de proteção", relata à DW Yiftah Shapir, especialista em defesa antimísseis e pesquisador do Instituto de Estudos de Segurança Nacional (INSS) de Israel.

"Cúpula de ferro"

A ideia de um sistema antimísseis surgiu em meados da década de 1990, quando o grupo paramilitar islâmico Hisbolá, sediado no Líbano, passou a lançar foguetes contra Israel. Mas o conceito do Iron Dome (Cúpula de Ferro) ganhou força em 2004, quando Gold se tornou diretor da equipe de pesquisa e desenvolvimento das Forças Armadas de Israel.

Israel Rakettenangriff Tel-Aviv

Sistema antimíssil faz parte de linha de defesa complexa

Em 2007, a ideia foi colocada em prática, e desde então a empresa nacional Rafael Defense Systems trabalha no projeto. Em 2011, o sistema foi colocado à prova, numa resposta aos bombardeios do Hamas no sul do país. Uma oitava bateria está prestes a entrar em funcionamento, e os Estados Unidos estão colaborando com Israel no financiamento de instalações adicionais.

Cada bateria é essencialmente composta por três componentes: o radar de detecção e rastreamento, o sistema computadorizado para "gestão de batalha e controle de armas" (BMC) e a unidade de disparo de mísseis.

Quando um míssil inimigo é lançado, o radar reconhece seu tipo e rota. Essas informações são comunicadas à unidade de disparo, que lança um míssil de defesa, destruindo o projétil. Além disso, o Iron Dome pode ser transportado facilmente e montado e desmontado em um curto espaço de tempo.

Diversas frentes

Um dos criadores do Iron Dome, o brigadeiro da reserva Danny Gold, confirma o risco: cada vez mais se observa a tendência de as pessoas simplesmente prosseguirem com suas atividades cotidianas após um alarme, na certeza de que todo míssil será interceptado.

Israel Tel Aviv Raketenabschuss

Abrigos protegem população israelense

Ele lembra que o Iron Dome não é a única linha de defesa contra o Hamas. "A defesa é uma combinação de sistema antimíssil, sirenes, atividades intensas de inteligência, com todos esses níveis se apoiando entre si. Não há como as pessoas ficarem em casa e não fazerem nada, achando que o Iron Dome vai fazer tudo 100% correto, acima das cabeças delas."

Cidadãos que sabem da contribuição do veterano para o Iron Dome o tratam como herói. "Salvar vidas israelenses era a intenção principal ao se criar desse sistema. Acho que é uma enorme conquista, não só para mim, mas para as centenas que trabalharam nele durante alguns anos. Elas são o melhor do melhor de Israel, em alta tecnologia."

Segundo Gold, além de salvar vidas, havia a necessidade de reduzir as perdas econômicas nas cidades israelenses e minimizar os danos a propriedades e bens da população. "O Iron Dome é um bem estratégico para o país", afirma.

Leia mais