1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Sistema alemão dará alarme de tsunami na Ásia

A diplomacia alemã atua intensamente nos países assolados pelo tsunami no Oceano Índico. E a ajuda da Alemanha se estenderá também à implantação de um sistema de alarme prévio para prevenção de futuras catástrofes.

default

Bóias marítimas são peças fundamentais de todo sistema de alarme contra tsunamis


As atividades diplomáticas alemãs nos países do Sudoeste asiático ganharam uma intensidade inusitada desde a catástrofe do tsunami. Na próxima semana, o ministro das Relações Exteriores, Joschka Fischer, fará uma nova visita à região: apenas um mês após a sua primeira estada na Tailândia.

Também outros ministros alemães são esperados nos países assolados pela catástrofe. O ministro da Defesa, Peter Struck, fará uma visita aos soldados alemães em Aceh. A ministra da Cooperação Econômica, Heidemarie Wieczorek-Zeul, é esperada em Sri Lanka ainda no correr deste mês de fevereiro, onde tratará sobre a ajuda alemã para a reconstrução da área destruída pelo tsunami.

BVG verkündet Urteil zum Studiengebührenverbot

Ministra Edelgard Bulmahn é esperada em Jacarta, em meados de março

Mais importante, contudo, deverá ser a participação da ministra da Pesquisa, Edelgard Bulmahn, numa conferência a ser realizada na capital indonésia, Jacarta, de 14 a 18 de março próximo. Nessa ocasião deverá ser assinado o acordo para a instalação do sistema alemão de alarme prévio de tsunamis no Oceano Índico.

Alemanha financia

O sistema alemão tem um custo total previsto de 45 milhões de euros e deverá ser inteiramente financiado com verbas de prevenção de catástrofes da Alemanha. Para a Indonésia é um excelente negócio, uma vez que todo o sistema lhe será fornecido gratuitamente. Também Sri Lanka já manifestou interesse na tecnologia desenvolvida pelo Centro de Pesquisas Geológicas de Potsdam (GTZ).

A instalação do sistema deverá começar no outono setentrional do corrente ano. O navio alemão de pesquisas Sonne já se encontra na região, segundo o diretor do GTZ, Rolf Emmermann. A estrutura básica do sistema poderá estar pronta até o final do ano.

Prof. Dr. Rolf Emmermann vom GeoForschungszentrum Potsdam

Rolf Emmermann é diretor do Centro de Pesquisas Geológicas de Potsdam (GTZ)

Ao contrário do sistema americano em funcionamento no Oceano Pacífico, a tecnologia alemã está baseada no registro de movimentos milimétricos de bóias, diretamente sobre as águas. Isso reduz enormemente o risco de alarmes falsos, afirma Emmermann.

A fase inicial

A implantação do sistema deverá ser feita em duas fases. Os primeiros trabalhos, a serem iniciados ainda este ano, incluem a criação ou ampliação de redes nacionais e internacionais de informação sismológica e a instalação de bóias no Oceano Índico.

Essas bóias dispõem de medidores de pressão e reconhecem abalos diretamente através da água. Elas medem o próprio movimento com enorme precisão, reduzindo assim o risco de erros. Tanto as bóias marinhas como os medidores de nível da água, instalados nas costas, são equipados com o Sistema de Posicionamento Global (GPS) e ligados diretamente a satélites.

Através dos satélites, os dados colhidos são enviados em tempo real para os observatórios sismológicos nacionais e regionais.

A primeira fase de implantação do sistema prevê também o treinamento do pessoal encarregado de operar o sistema nos diversos observatórios e centrais de alarme.

Rede de satélites

GPS mit Galileo Sat

Um sistema de satélites será implantado na segunda fase do projeto

Na segunda fase, será implantada e operada uma rede de vários satélites. Trata-se, neste caso, de uma rede complementar do sistema já existente que observa deformações tectônicas da crosta terrestre. Os novos satélites permitirão registrar também as mudanças no nível do mar, utilizando a técnica do GPS.

Na região do Oceano Índico, apenas seis estações de observação sismológica estão atualmente à disposição, todas elas ligadas ao sistema dos EUA. Assim, já na primeira fase do projeto alemão, serão criados cerca de 30 a 40 novos centros de medição, com comunicação por satélite. Depois de concluída, a implantação do sistema de prevenção de tsunamis no Oceano Índico deverá ter um total aproximado de 250 estações de vigilância e observação.

Leia mais