Sindicatos iniciam novo dia de greve geral na Grécia | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sindicatos iniciam novo dia de greve geral na Grécia

Grevistas protestam contra as medidas de austeridade impostas pelo governo e paralisam principalmente aeroportos e o sistema ferroviário, além de instituições públicas como hospitais e museus.

default

Um passageiro desinformado caminha pelo aeroporto de Atenas, vazio com a greve

Ninguém entra ou sai da Grécia via voos comerciais desde a meia-noite desta quarta-feira (05/10). O serviço público do país iniciou uma paralisação prevista para durar 24 horas e que atinge também o transporte ferroviário, escolas e tribunais.

Nos hospitais públicos só serão atendidas situações de emergência. Os motoristas de ônibus vão cruzar os braços durante três horas pela manhã e outras três horas à noite. Também os funcionários de ministérios e empresas estatais vão suspender atividades durante o dia, incluindo os museus.

Multidões são esperadas nas ruas de Atenas em protesto contra as medidas de austeridade do governo, principalmente a ameaça de eliminação de 30.000 postos de trabalho. A greve desta quarta-feira foi convocada pelos dois principais sindicatos grego, o GSEE (do setor privado) e o Adedy (do serviço público).

"Infelizmente, as novas medidas apenas prolongam políticas injustas e bárbaras que enxugam os direitos e os ganhos dos trabalhadores e empurram a economia um pouco mais em direção à recessão e à dívida", disse Stathis Anestis, porta-voz do GSEE.

"Confrontados com esta greve, o governo, a União Europeia e o FMI serão forçados a rever as suas políticas desastrosas", acrescentou o porta-voz do GSEE, que já convocou uma greve geral para o dia 19 de outubro.

Um país em crise

As novas medidas foram projetadas para aliviar os gastos do Estado, que luta para equilibrar o deficit público. Para cumprir as suas metas, o governo anunciou no mês passado um novo imposto sobre propriedades e cortou pela metade as deduções do imposto de renda. Contudo, o país continua em recessão: espera-se que economia encolha 5,5% este ano.

Na terça-feira, o ministro grego das Finanças, Evangelos Venizelos, disse que as finanças públicas gregas podem se agravar este ano se o país não implementar as reformas e não demonstrar "coesão nacional e solidariedade".

O projeto de lei sobre a redução de pessoal no setor público e o rebaixamento de salários e pensões será votado até o final de outubro no Parlamento.

BV/afp/dpa/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais