1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sindicatos alemães perdem filiados em 2001

Mais de 200 mil trabalhadores se desligaram das entidades associadas à principal central sindical do país.

default

O Ver.di nasceu em março a partir da fusão de vários sindicatos

Os sindicatos alemães não conseguiram interromper a evasão de associados em 2001, apesar das intensas campanhas de filiação. As novas sindicalizações foram insuficientes para compensar o número de trabalhadores que se desligaram das entidades associadas à Federação dos Sindicatos Alemães (DGB). A maior central sindical do país perdeu mais de 200 mil filiados, segundo a agência de notícias DPA.

Mesmo assim o índice de sindicalizados na Alemanha ainda pode ser considerado alto. Ao fim do ano, 7,9 milhões de trabalhadores (quase 10% da população do país) estavam organizados nas entidades trabalhistas da DGB.

Desemprego prejudica – A maior evasão de associados foi registrada no Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Agricultura e Meio Ambiente (IG Bau), reflexo do grande desemprego no setor de construção civil. Em 2000, o sindicato ainda possuía mais de 539 mil filiados, tendo fechado 2001 com 510 mil. Os líderes trabalhistas garantem, porém, que a sindicalização está em alta nos setores de agricultura, jardinagem e limpeza predial, principalmente entre os jovens.

Em seu primeiro semestre de vida, o recém-fundido Sindicato dos Prestadores de Serviços (Ver.di) viu 67 mil associados lhe virarem as costas. A maior entidade trabalhista do país representava, no fim de novembro, 2,93 milhões de bancários, securitários, jornalistas, gráficos, servidores públicos, carteiros e outros prestadores de serviços.

Ritmo mais lento – O Sindicato dos Metalúrgicos (IG Metall) perdeu 58 mil filiados. No início de dezembro, registrava 2,705 milhões de trabalhadores em sua carteira de associados. Segundo a entidade, a velocidade da evasão reduziu-se.

Já o Sindicato dos Trabalhadores em Mineração, Química e Energia (IG BCE) fechou o ano com 891,5 mil representados, 29 mil a menos que em 2000. A entidade atribui a fuga ao envelhecimento das pessoas e à falta de novas contratações no setor.

Os sindicatos de trabalhadores dos ramos de nutrição, gastronomia e hotelaria (NGG), transportes (Transnet) e educação (GEW) igualmente sofreram perdas em 2001.

Leia mais

Links externos