Sindicato prevê mais demissões na Siemens | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 26.04.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sindicato prevê mais demissões na Siemens

Empresa já cortou 25 mil funcionários desde o ano passado. Só setor de equipamentos de redes telefônicas perdeu 16.500 postos de trabalho. Divisão de serviços industriais está na mira, diz sindicalista.

default

Teclado virtual da Siemens: perspectiva de empregos virtuais?

A demissão de 6500 funcionários da Siemens, anunciada esta semana, não será o último corte de mão-de-obra da empresa. "Nos setor de prestação de serviços industriais, temem-se mais demissões. A insegurança dos funcionários é enorme", disse o delegado do Sindicato dos Metalúrgicos alemães (IG Metall) junto ao grupo, Wolfgang Müller, nesta sexta-feira, em Munique.

O diretor-executivo da Siemens, Heinrich von Pierer, anunciou um corte de 6500 funcionários na divisão de equipamentos para redes telefônicas (ICN). O IG Metall calcula que, deste total, 1500 serão demitidos na Alemanha.

Mais cortes - A empresa informou que ainda não decidiu em que fábricas serão realizados os cortes, mas as mais atingidas serão as subsidiárias no exterior. Incluindo racionamentos anteriores, a divisão de ICN perde 16.300 postos de trabalho.

Somando os cortes anunciados nos exercícios financeiros de 2001 e 2002, o grupo já eliminou mais de 25 mil empregos. A multinacional Siemens emprega um total de 443 mil pessoas, das quais 180 mil na Alemanha. As treze fábricas do grupo no Brasil empregam cerca de oito mil funcionários.

O Sindicato dos Metalúrgicos pediu à Siemens que tente oferecer empregos em outros setores aos demitidos da ICN. O IG Metall prevê mais demissões na divisão de serviços industriais, que, no segundo trimestre de 2001/02 (30 de setembro) teve um prejuízo operacional de € 30 milhões. "Trata-se de um setor que emprega muita mão-de-obra. Por isso, é de se esperar que a primeira medida será demitir pessoal", disse Müller.

Leia mais