1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sindicato critica "gestos de ameaça" de presidente da Airbus

Ainda antes da implementação do Power 8, o plano de saneamento empresarial da Airbus, Thomas Enders anuncia novas medidas de economia. Baixa cotação do dólar é responsabilizada por situação grave da empresa.

default

Thomas Enders sob críticas

O euro forte coloca sob pressão a companhia aeronáutica européia Airbus. Assim, a empresa "não terá tabus em cortar gastos". A afirmativa foi feita por seu presidente, Thomas Enders, numa reunião com os conselhos de empresa de toda a Alemanha, nesta quinta-feira (22/11), em Hamburgo.

BdT Der Airbus A380 landet am Montag, 19. Maerz 2007, auf dem Flughafen in Los Angeles

A380 deslanchou a crise

Ainda segundo Enders, a Airbus precisa avaliar todos os gastos e ver que visões de futuro ainda se pode permitir. Nesse ínterim, como noticiou o jornal Süddeutsche Zeitung, a companhia considera suspender as vendas de seis de suas instalações, transferindo as fábricas para uma nova subsidiária. O motivo seria as vendas estarem demorando mais do que o esperado.

A Airbus confirmou ainda informações do site Spiegel Online, segundo as quais Enders haveria anunciado "medidas radicais" para compensar as conseqüências da queda do dólar, já que o modelo empresarial vigente "não é mais sustentável".

Gestos ameaçadores

Devido à queda da moeda norte-americana, que lhe representa uma "ameaça à existência", a Airbus tem pela frente "prejuízos gigantescos", apesar de um volume recorde de encomendas, continuou o empresário. A maior parte de seus custos são em euro, porém ela vende seus aviões em dólar. Além disso, a base do controvertido plano de saneamento empresarial Power 8 fora o euro a 1,35 dólar, enquanto no momento a cotação é de 1,48 dólar.

O sindicato dos metalúrgicos alemães IG Metall criticou a atitude de Enders. "São gestos de ameaça que não nos levam a nada", declarou a diretora regional Jutta Blankau ao jornal Hamburger Abendblatt. Ela rebateu as alusões ao dólar, pois o presidente da Airbus mencionara haver "um plano de segurança quanto à cotação da moeda", portanto o problema não pode ser "tão decisivo assim".

Cabe ver o que Enders quer dizer com "sem tabus", ressalvou Blankau. Ele anunciou novas medidas para além do Power 8, a serem anunciadas na próxima semana. Contudo isso não significará cortes de postos de trabalho, assegurou no encontro com os conselhos de empresa. Por sua vez, Jutta Blankau lembrou que até 2012 estão suspensas quaisquer demissões para fins de saneamento na Airbus.

Cortes sobre cortes

Airbus-Chef Louis Gallois

Louis Gallois

Os funcionários da companhia aeronáutica tampouco vêem com bons olhos o anúncio de Enders. "Ainda nem sabemos quais são exatamente os cortes dentro do Power 8 e eles já vêm propondo a próxima rodada", comentou Michael Eilers, presidente do conselho de empresa na unidade de Nordenham.

Devido aos atrasos na construção do superjumbo A380, a Airbus enfrenta uma crise. O plano Power 8, aprovado no início deste ano, prevê o corte de 10 mil empregos, além da venda de seis fábricas.

Há apenas duas semanas, Louis Gallois, diretor-geral da EADS, a empresa-mãe da Airbus, anunciou novas medidas de economia, com o fim de poupar mais um bilhão de euros. Atrasos na entrega do avião de transporte militar A400M e a queda do dólar colocaram a EADS no vermelho. (av)

Leia mais