″Sinal de esperança″, diz Steinmeier sobre paz na Colômbia | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 13.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

"Sinal de esperança", diz Steinmeier sobre paz na Colômbia

Em viagem oficial ao país, ministro alemão do Exterior descreve como histórico acordo de paz e visita guerrilheiros das Farc. Agenda de diplomata incluiu encontro com presidente colombiano.

Steinmeier visitou zona de pré-agrupamento em Mesetas

Steinmeier visitou zona de pré-agrupamento em Mesetas

O ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, afirmou nesta sexta-feira (13/01) que o processo de paz na Colômbia é um sinal de esperança para todo o mundo. Em viagem oficial ao país sul-americano, o diplomata prometeu apoio ao governo colombiano na reconciliação com os rebeldes.

"Este país escreveu história e não só para a Colômbia", ressaltou o ministro, em Bogotá, numa coletiva de imprensa com a chefa da diplomacia colombiana, María Ángela Holguín.

Steinmeier reconheceu ainda que a implementação da paz será um processo difícil, com muitas obrigações, e reiterou o compromisso da Alemanha em auxiliar a Colômbia neste percurso.

Antes da coletiva, o ministro se reuniu com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, em Bogotá. Logo em seguida, Steinemeier visitou uma região, próxima à capital, onde devem se concentrar os combatentes das Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc), que esperam para entregar as armas.

"Aqui será comprovado, se o acordo de paz será seguido", disse Steinmeier, na zona de pré-agrupamento em Mesetas. A entrega das armas pelos rebeldes deve ocorrer até maio. Atualmente, cerca de 5,8 mil rebeldes estão se dirigindo para essas regiões de concentração.

Em mais de 50 anos, o conflito na Colômbia, o mais longo da América, provocou a morte de 220 mil pessoas e deixou mais de 6 milhões de deslocados internos. Após uma primeira tentativa de estabelecer o fim do conflito ser rejeitada num referendo, em 24 de novembro, o governo e as Farc assinaram um novo acordo de paz.

CN/dpa/efe

Leia mais