1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Setor de TI apresenta-se como motor da economia

Maior feira de informática do mundo, a CeBIT 2005 tem recorde de expositores estrangeiros, mas fraca participação brasileira. Setor de tecnologia da informação supera crise e tendência é evolução em vez de revolução.

default

CeBIT 2005: mais de 6 mil expositores de 69 países

Em clima de otimismo, foi aberta oficialmente em Hannover, nesta quarta-feira (09/03), a CeBIT 2005. Até 16 de março, 6270 expositores de 69 países apresentam seus novos produtos na maior feira internacional de tecnologia da informação (TI), telecomunicações, software e serviços. O presidente da associação alemã das empresas do setor (Bitkom), Willi Berchtold, espera que a CeBIT consolide a recuperação na área de TI. "O setor é novamente o motor da conjuntura econômica", disse.

Depois de três anos de vacas magras, o setor de TI, que mundialmente movimenta dois trilhões de euros anuais, voltou a obter resultados positivos em 2004. Para o mercado alemão, a Bitkom prevê um crescimento de 3,4% e um faturamento de 136 bilhões de euros em 2005. As 53 mil empresas de TI na Alemanha pretendem gerar pelo menos dez mil novos empregos ao longo deste ano. Atualmente, o setor emprega 700 mil pessoas, quase tanto quanto a indústria automobilística alemã (775 mil).

Recorde de expositores estrangeiros

Cebit Messe in Hannover Bildschirm mit Galeriebild

Visita no estande da Samsung

O otimismo em Hannover espelha-se também no número de expositores, que voltou a aumentar depois de anos em queda (6109 em 2004), graças à participação estrangeira recorde na história da CeBIT. Dos 6270 expositores, mais da metade (3293) vêm do exterior.

Há uma verdadeira invasão asiática na CeBIT – 1677 firmas, quase o dobro do ano passado. Nenhuma feira de informática da Ásia, onde o mercado de TI cresce 7% ano, consegue bater esse número. Há 777 empresas só de Taiwan e 202 da Coréia do Sul. A China quase duplicou sua presença: de 182 expositores em 2004 para 310 neste ano.

Já a participação brasileira caiu de 24 representantes em 2004 para 11 neste ano. Participam da CeBIT 2005 a Aker Security Solutions, de Brasília (DF); a Apex (Agência de Promoção das Exportações) e a Digistar Telecomunicações, de Porto Alegre (RS); a Itautec Philco, de São Paulo (SP); a Light Infocon Tecnologia e a New Ink Informática, ambas de Campina Grande (PB); a Noordtek Porto Digital, de Recife (PE); a Phoebus Tecnologia e a Zenite Tecnologia e Teleinformática, de João Pessoa (PB); além da SuperWaba, do Rio de Janeiro (RJ).

Evolução em vez de revolução

Ao contrário dos anos anteriores, quando foram apresentados, por exemplo, os primeiros notebooks, telefones celulares ou a tecnoloia UMTS, não está prevista nenhuma revolução na feira deste ano. Os organizadores acreditam que telefonar via internet ( VoIP ou Voice over IP = Internel Protocol) concentrará a atenção dos esperados 500 mil visitantes.

CeBIT 2005 in Hannover mobiler Fernsehempfang mit Galeriebild

Siemens apresenta protótipo de televisão portátil

Entre os destaques da CeBIT 2005, estão soluções e serviços para gerenciamento à base de TI, tecnologias da comunicação de banda larga como UMTS e sem fio, como WLAN, novas plataformas para trabalho em rede, a nova geração de processadores e cartões de memória para PCs, entretenimento digital e segurança. Na área de telefonia celular, as operadoras tentam recuperar os investimentos bilionários feitos nas licenças de UMTS, apresentando produtos de entretenimento doméstico.

O setor público fará demonstrações dos avanços do chamado eGovernment (governo eletrônico), com o qual se tenta diminuir a burocracia nas repartições públicas, oferecendo aos cidadãos o acesso a determinados serviços via internet. O governo alemão apresentará também o cartão eletrônico de saúde, cuja introdução nacional está planejada para o ano que vem.

Uma tendência geral é transformar os equipamentos de comunicação móvel, como celulares, computadores de mão (ou Pocket PCs), em verdadeiras máquinas multimídia. Os celulares, por exemplo, passam a ter funções dos atuais PDAs, podendo não só sintonizar rádio, baixar e tocar música em formato mp3 ou fotografar, como também servir de mini-TV. A Siemens, por exemplo, apresenta um celular capaz de receber cinco canais de TV, entre eles a Deutsche Welle.

Leia mais