Serviço secreto alemão teria tentado ″comprar″ terroristas da RAF | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 08.09.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Serviço secreto alemão teria tentado "comprar" terroristas da RAF

Um milhão de dólares e uma nova identidade. Com essa oferta, o governo da Alemanha Ocidental teria tentado convencer terroristas da RAF a abandonar a luta armada nos anos 80, segundo o semanário alemão "Der Spiegel".

default

O símbolo do grupo terrorista RAF

Uma reportagem da revista Der Spiegel acusa o governo alemão de ter tentado usar dinheiro e a oferta de uma "ficha limpa" como moeda de troca para que terroristas da Fração do Exército Vermelho (RAF) abandonassem a luta armada.

De acordo com a revista, a descoberta de novos documentos indica que, no verão de 1980, o governo da Alemanha Ocidental teria emitido doze cartas para terroristas da RAF (grupo terrorista que atuou na Alemanha Ocidental a partir dos anos 70). As cartas teriam sido entregues a simpatizantes do grupo, para que fossem levadas a seus destinatários finais. Nenhum deles aceitou a proposta.

Segundo a Spiegel, as cartas teriam saído do Departamento Federal de Proteção da Constituição (BfV), mas eram apresentadas como tendo sido emitidas pelo serviço de inteligência americano CIA. À época, a República Federal da Alemanha era governada pelo chanceler social-democrata Helmut Schmidt.

Alemanha Oriental

Ainda de acordo com a reportagem, o governo Alemanha Ocidental da já tinha informações desde os anos 80 sobre terroristas da RAF que viviam em clandestinidade na vizinha República Democrática Alemã (RDA). O BND (serviço secreto alemão) teria obtido as informações através do palestino Chalid Jihad, uma de suas principais fontes entre 1979 e 1983. Jihad era integrante da Frente Popular para a Libertação da Palestina e atuava no campo de treinamento militar do grupo, onde terroristas da RAF foram treinados na época.

O fato de o governo alemão não ter reagido à revelação aborreceu os funcionários do BND. Especulava-se que as razões para tal eram o temor de um acirramento das relações com a Alemanha Oriental, o que poderia restringir ainda mais a mobilidade dos cidadãos do país.

Filme deve reacender debate

A atuação da RAF promete voltar ao centro dos debates na Alemanha no fim de setembro, quando será lançado o filme Der Baader-Meinhof-Komplex, de Bernd Eichinger e Uli Edel. Segundo um crítico da Spiegel, o filme retrata os atos da RAF de forma crua e realista, e deve deslocar o foco dos debates sobre o grupo – passando do diálogo sobre suas motivações para o reconhecimento da brutalidade de suas ações.

A RAF foi responsável por 34 mortes durante seu período de atuação, além de inúmeros assaltos a bancos e explosões. Após a queda do Muro de Berlim, dez terroristas do grupo foram localizados no território da antiga RDA, e vários deles foram julgados e condenados. O grupo se dissolveu em 1998.

Leia mais