Serviço secreto alemão nega participação em treino de policiais líbios | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Serviço secreto alemão nega participação em treino de policiais líbios

Após denúncias contra policiais envolvidos em treinamento de forças de segurança na Líbia, o serviço secreto alemão nega qualquer conivência. Políticos consideram urgente esclarecimento do caso.

default

Políticos querem submeter serviço secreto a comissão de controle

O Serviço Federal de Informações (BND) negou qualquer conivência com o escândalo dos policiais alemães envolvidos em treinamentos sigilosos na Líbia. "O BND não prestou assessoria, nem acompanhou treinamento algum", declarou um porta-voz do serviço secreto, em Berlim. O BND afirma não ter tido conhecimento das atividades de uma empresa particular de segurança.

Com isso, o serviço secreto alemão desmentiu um relato do diário Berliner Zeitung, segundo o qual o BND teria acompanhado o treinamento particular de forças de segurança líbias entre 2005 e 2007.

Acusações da imprensa mobilizam políticos

Apesar de as acusações terem sido terminantemente desmentidas, o assunto deverá ser discutido pelo Parlamento alemão em breve. Deputados de diversos partidos exigiram a criação de uma comissão parlamentar de controle dos serviços de inteligência.

"Só a menção do nome Líbia já deveria ser motivo de alarme geral", declarou o vice-líder da bancada democrata e social-cristã, Wolfgang Bosbach. O deputado liberal Max Stadler considera urgente a necessidade de esclarecer a questão. Um porta-voz do governo alemão assegurou que o caso será devidamente investigado.

Pagos pelo regime de Kadafi

Segundo relatos da imprensa, cerca de 30 policiais alemães, um soldado e um especialista ligado ao Grupo 9 da Guarda de Fronteira (GSG-9), unidade antiterrorista da Policia Federal Alemã, treinaram policiais para o regime de Muammar Kadafi.

Investigações da Promotoria Pública de Düsseldorf revelaram que policiais alemães aposentados e na ativa foram pagos pelo governo líbio para treinarem forças de segurança entre 2005 e 2007. Tudo teria ocorrido sem o conhecimento das autoridades alemãs. Um processo disciplinar já foi aberto contra oito policiais de Colônia, Bielefeld e Essen.

Embaixada em Trípole informada?

De acordo com a revista Der Spiegel, um dos treinadores da operação clandestina afirmou em seu depoimento que diplomatas alemães na Líbia teriam sido informados em detalhe sobre o ocorrido.

O Ministério do Exterior não confirmou o dado – veiculado pela revista Der Spiegel – de que a Embaixada alemã em Trípole teria tido conhecimento da operação clandestina.

Ministério da Defesa sob pressão

Segundo o diário berlinense Tagesspiegel, um dos envolvidos fazia parte da guarda pessoal do Ministério da Defesa. Só restaria saber se o policial em questão também teria sido guarda-costas do ministro da Defesa Peter Struck (SPD), de algum secretário de Estado ou de um comandante de alto escalão das Forças Armadas.

Considerando que os guarda-costas são submetidos a um rigoroso esquema de segurança, surge a suspeita de que o Ministério da Defesa já teria sido informado há tempos sobre as a participação alemã no treinamento de policiais na Líbia.

Leia mais