1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Serviço secreto alemão identifica rede de coiotes no Afeganistão

BND afirma existir estrutura de tráfico altamente profissional, que se estende por Turquia, Grécia, Itália e França. Afegãos são segundo maior grupo de refugiados na Alemanha.

Diante do afluxo crescente de refugiados do Afeganistão, o Serviço Federal de Informações da Alemanha (BND) alertou nesta terça-feira (03/11) sobre uma rede internacional de traficantes de pessoas no país. Os afegãos são o segundo maior grupo de refugiados que chegam ao país europeu, atrás somente dos sírios.

Numa investigação sobre as rotas migratórias, o serviço secreto alemão observou no Afeganistão "uma estrutura de tráfico altamente profissional, cuja rede se estende pela Turquia, Grécia, Itália e França", disse o presidente do BND, Gerhard Schindler.

O Afeganistão está numa espiral decrescente, disse Schindler. "A situação política está estagnada, a econômica está instável, e o Talibã avança." Em todos os atuais focos de conflito, como Síria, Iraque, Líbia, Iêmen e Somália, "clãs, milícias e grupos terroristas saem ganhando", afirmou o presidente do BND.

Assim como os EUA e outros países aliados, a Alemanha também pretende prolongar sua presença militar no Afeganistão. No contexto da missão da Otan Resolute Support, que visa dar formação e apoio a forças de segurança afegãs, as Forças Armadas alemãs (Bundeswehr) ainda têm 850 soldados estacionados no país. A retirada das tropas estava prevista para o ano que vem, mas será adiada devido aos recentes sucessos do Talibã.

Na semana passada, o ministro alemão do Interior,

Thomas de Maizière, anunciou que a Alemanha vai intensificar a deportação de requerentes de asilo afegãos

que tiveram o pedido negado. O elevado número de refugiados afegãos no país é "inaceitável", e nem todos podem ter a esperança de permanecer, disse.

Soldados e policiais alemães estão ajudando a manter o Afeganistão seguro e, por isso, seria de se esperar que "os afegãos permanecessem em seu país", disse De Maizière.

LPF/dpa/epd

Leia mais