1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Serviço militar continua obrigatório na Alemanha

Tribunal rejeita pedido de inconstitucionalidade da lei que regulamenta serviço à pátria.

default

Soldados alemães com a bandeira nacional

O serviço militar obrigatório é constitucional na Alemanha. O Tribunal Federal Constitucional (TFC), em Karlsruhe, rejeitou um pedido da justiça estadual de Brandemburgo de acabar com a obrigatoriedade do serviço, em sentença publicada nesta quarta-feira (10). Devido a uma pane técnica, a decisão foi divulgada durante a madrugada na Internet, antes do anúncio oficial.

A conclusão unânime do segundo senado do TFC baseou-se em sentenças anteriores do próprio tribunal sobre o assunto. Os juizes estaduais em Potsdam, capital de Brandemburgo, não conseguiram comprovar até que ponto a situação pertinente ao julgamento da constitucionalidade da lei mudou nos últimos anos. O TFC ressaltou, no entanto, que cabe à esfera política decidir o futuro do serviço militar.

Desertor - O Tribunal de Justiça de Brandemburgo (TJB) suspendera, em 1999, uma sentença de primeira instância que condenara o estudante de direito Volker Wiedersberg como desertor. Ele havia se negado a prestar o serviço militar obrigatório e o serviço civil alternativo em 1993 e 1994. Os juizes estaduais argumentaram que esses serviços representavam uma "interferência desproporcional" nos direitos fundamentais da pessoa e questionaram sua constitucionalidade.

O TFC lembrou que a constitucionalidade do serviço militar obrigatório já fora confirmada numa sentença de 20 de fevereiro de 2002. Segundo o TFC, "a obrigatoriedade do serviço militar não pode ser colocada na dependência de determinadas circunstância da política de segurança". O tribunal de Brandemburgo havia mencionado as mudanças do cenário político internacional após a guerra fria, mas cometeu uma série de erros formais e ignorou compromissos internacionais das Forças Armadas Alemãs.

Fiasco - O TFC também confirmou sua decisão de 1978, de que a escolha entre o serviço militar obrigatório e um exército profissional é tarefa exclusiva do parlamento. O atual debate público sobre o controle democrático, recrutamento e financiamento das Forças Armadas mostra que será uma decisão política complexa.

O chancelar federal alemão, Gerhard Schröder, e o ministro da Defesa, Rudolf Scharping, ambos favoráveis à manutenção do serviço militar obrigatório, elogiaram a decisão do TFC. "O recurso dos adversários do serviço do serviço militar ao TFC foi um grande fiasco", concluiu o especialista da CDU para assuntos de segurança, Paul Breuer.

Apesar disso, o Partido Liberal (FDP), pacifistas ligados aos verdes e a juventude social-democrata pretendem continuar sua campanha pelo fim do serviço militar obrigatório na Alemanha.