Senado dos EUA aprova Nikki Haley como embaixadora na ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

EUA

Senado dos EUA aprova Nikki Haley como embaixadora na ONU

Indicada por Trump para o cargo, governadora republicana recebe aval de senadores para representar o país nas Nações Unidas, apesar da falta de experiência em política externa. Apenas quatro senadores votam contra.

Nikki Haley é governadora da Carolina do Sul

Nikki Haley é governadora da Carolina do Sul

Nikki Haley, indicada pelo presidente americano, Donald Trump, como embaixadora dos EUA na ONU, foi aprovada pelo Senado para o cargo nesta terça-feira (24/01), com 96 votos a favor e apenas quatro contra.

A governadora republicana da Carolina do Sul, de 45 anos, recebeu forte apoio para ocupar o posto nas Nações Unidas, apesar da falta de experiência em política externa. Ela ocupou cargos políticos somente na Carolina do Sul. Antes de assumir o posto de governadora, em 2011, ela foi membro da Câmara dos Representantes do estado.

Os únicos votos contrários vieram de três senadores democratas – Tom Udall, Chris Coons e Martin Heinrich – e de Bernie Senders, político independente. "A posição de embaixadora dos EUA das Nações Unidas requer um alto nível de experiência em assuntos internacionais, e não alguém que irá aprender durante o trabalho", afirmou Coons.

Antes da votação no plenário do Senado, Haley havia sido aprovada com facilidade nesta terça-feira pelo comitê de relações exteriores da Casa, formado por 21 senadores. O senador republicano Bob Corker, presidente do comitê, afirmou que Haley provou ser uma líder que irá defender fortemente os interesses dos EUA na ONU.

A governadora da Carolina do Sul já demonstrou seu compromisso em reforçar a aliança transatlântica da Otan. Ela também expressou forte apoio a Israel nas Nações Unidas, após o governo do ex-presidente Barack Obama ter sido mais ambíguo a esse respeito, especialmente ao condenar a polêmica ampliação dos assentamentos nos territórios palestinos.

LPF/efe/ap/rtr

Leia mais