Senado decide hoje destino de Dilma Rousseff | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 31.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Senado decide hoje destino de Dilma Rousseff

Em sessão histórica, parlamentares votam, por painel eletrônico, sobre o afastamento definitivo da presidente. Se impeachment for confirmado, Temer toma posse ainda nesta quarta-feira.

Assistir ao vídeo 03:07
Ao vivo agora
03:07 min

O passo a passo do impeachment

O Senado realiza nesta quarta-feira (31/08) uma das sessões mais importantes de sua história. A partir das 11h (horário de Brasília), será votado se a presidente Dilma Rousseff deve ser afastada definitivamente do cargo, pondo fim a um processo de nove meses que dividiu o país.

Para o impedimento definitivo são necessários ao menos 54 votos favoráveis entre os 81 senadores. O mínimo de votos já é dado como certo pelo governo do presidente interino, Michel Temer, que assumirá efetivamente o cargo até o final de 2018 se Dilma for condenada, tomando posse ainda nesta quarta-feira.

Segundo levantamento do jornal Folha de São Paulo, 54 senadores já declararam voto favorável ao impedimento da petista, enquanto 20 se disseram contrários. Outros sete ainda não opinaram. Já o diário Estadão fala em 55 votos a favor e 20 contra, além de outros seis que não quiseram responder. O resultado final deverá ser conhecido no início da tarde.

Para abrir a sessão, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que comanda o julgamento, lerá um relatório que resume o processo e as provas e argumentos da acusação e da defesa.

Depois, será permitido que quatro senadores façam o encaminhamento da votação, sendo dois favoráveis e dois contrários ao impeachment. Essas preliminares devem levar cerca de uma hora.

Segundo a Agência Senado, a votação será nominal e através do painel eletrônico, o que significa que os votos dos senadores serão divulgados em tempo real. Cada um deles deverá responder "sim" ou "não" à seguinte pergunta:

"Cometeu a acusada, a senhora Presidente da República, Dilma Vana Rousseff, os crimes de responsabilidade correspondentes à tomada de empréstimos junto à instituição financeira controlada pela União (art. 11, item 3, da Lei nº 1.079/50) e à abertura de créditos sem autorização do Congresso Nacional (art. 10, item 4 e art. 11, item 2, da Lei nº 1.079/50), que lhe são imputados e deve ser condenada à perda do seu cargo, ficando, em consequência, inabilitada para o exercício de qualquer função pública pelo prazo oito anos?"

Nove meses de processo

O processo de impeachment foi aberto em dezembro de 2015. Dilma responde pela publicação de decretos de suplementação orçamentária sem o aval do Congresso e pelas chamadas "pedaladas fiscais" – no pedido de impeachment, a pedalada de que Dilma é acusada é um atraso no repasse de recursos públicos ao Banco do Brasil, usados no Plano Safra.

Após autorização da Câmara dos Deputados, o processo chegou ao Senado em abril deste ano, onde foi analisado por uma comissão especial, que emitiu dois pareceres e realizou duas votações. Na última delas, quando os parlamentares aceitaram a denúncia contra Dilma, 59 votaram a favor do impeachment, e 21, contra.

O julgamento final teve início na última quinta-feira. Durante três dias, os senadores ouviram depoimentos de quatro testemunhas e dois informantes, e nesta segunda-feira, Dilma compareceu ao Plenário para fazer sua defesa e ser interrogada durante 14 horas.

Assistir ao vídeo 01:43
Ao vivo agora
01:43 min

Momentos que marcaram o julgamento do impeachment

A última etapa de discussão do processo de impeachment antes da votação final teve início nesta terça-feira e foi concluída no Senado na madrugada desta quarta-feira. Foram 17 horas de reunião, incluindo as falas da defesa e da acusação e os discursos dos senadores.

Os juristas Janaína Paschoal e Miguel Reale Júnior falaram pela acusação, reiterando que Dilma cometeu fraudes fiscais para criar uma "ilusão" de normalidade das contas públicas. O advogado de defesa, José Eduardo Cardozo, por sua vez, classificou as denúncias como "pretextos" para um "golpe parlamentar", pedindo a absolvição da presidente.

Ao concluir os argumentos, Cardozo fez apelo aos senadores para aceitarem a proposta de Dilma de convocação de plebiscito. Se está se julgando o "conjunto da obra", o povo é que deve decidir, clamou.

Os discursos dos senadores duraram 12 horas. Cada um teve dez minutos para falar, e, no total, 63 se manifestaram. Destes, 18 falaram a favor do impeachment, 44, contra, e um não declarou abertamente sua intenção de voto. Os parlamentares que apoiam Dilma reiteraram a tese de que há um golpe de Estado para afastar a presidente. Já os opositores reafirmaram que o processo é legitimado pelo STF e que ela cometeu atos ilícitos.

De acordo com a imprensa brasileira, a defesa de Dilma já prepara uma ação para recorrer ao STF caso a destituição definitiva da presidente afastada seja confirmada no Senado nesta quarta-feira.

Se o impeachment for concretizado e Temer tomar posse, ele deve viajar à China ainda nesta quarta-feira, para participar de um encontro do G20. Esta seria a primeira vez que o PMDB chegaria presidência de forma indireta desde 1985, quando o então vice José Sarney assumiu o cargo após a morte de Tancredo Neves.

LPF/abr/lusa/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados