Senado aprova Ilan Goldfajn para presidência do Banco Central | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Senado aprova Ilan Goldfajn para presidência do Banco Central

Após sabatina em comissão do Senado, economista-chefe do Itaú-Unibanco tem seu nome aprovado no plenário da Casa com 56 votos a favor e 13 contra. Goldfajn substitui Alexandre Tombini no comando da autoridade monetária.

Goldfajn foi sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado nesta terça-feira

Goldfajn foi sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado nesta terça-feira

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (07/06) o nome do economista Ilan Goldfajn para a presidência do Banco Central (BC). A indicação recebeu 56 votos favoráveis, 13 contrários e uma abstenção. Assim que a decisão for publicada no Diário Oficial da União, Goldfajn assume o cargo, substituindo Alexandre Tombini no comando da autoridade monetária.

Entre os senadores contrários, a maior parte era formada por parlamentares que se opõem à atual gestão do presidente interino Michel Temer e que compunham a base do governo da presidente afastada Dilma Rousseff, como o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

O petista criticou a decisão de Temer de alterar o comando do BC antes que o processo de impeachment seja concluído. "É um absurdo que haja a modificação do presidente do Banco Central num governo interino. Em dois ou três meses, teremos o julgamento [do impeachment] no Senado. Se Dilma volta, teremos a alteração do presidente do BC novamente?", questionou Farias.

Assistir ao vídeo 01:08
Ao vivo agora
01:08 min

Meirelles comenta escolhas para a equipe econômica

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), por outro lado, defendeu a nomeação de Goldfajn, lembrando que o nome do economista foi um dos poucos com alta convergência entre as indicações feitas por Temer em seu governo interino.

"A aprovação do seu nome por este Senado Federal, a meu ver, é uma sinalização extremamente positiva no caminho daquilo que é essencial na nossa política econômica e que havíamos perdido ao longo dos últimos anos: clareza de qual é o caminho que deveremos percorrer na condução do guardião da nossa moeda", disse Aécio no plenário.

O nome de Goldfajn foi indicado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em 17 de maio, assim que ele assumiu a pasta. O próximo passo seria uma sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, realizada mais cedo nesta terça-feira. A Comissão aprovou a nomeação do economista com 19 votos a favor e 8 contra, enviando a questão para votação no plenário da Casa.

Ao ser sabatinado, Goldfajn reafirmou que pretende atingir o centro da meta de inflação, hoje em 4,5%, "num momento não muito distante". Segundo ele, a baixa inflação é a chave para impulsionar o investimento e recuperar uma economia que vive a pior recessão de sua história.

Mestre pela PUC-RJ e doutor pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Goldfajn foi diretor de política econômica do BC entre 2000 e 2003, na gestão de Armínio Fraga. Atuou como consultor de organizações internacionais (como Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional e ONU), do governo brasileiro e do setor privado. É o atual economista-chefe do Itaú-Unibanco.

EK/abr/rtr/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados