1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Sem material de arquivo, ninguém iria acreditar", diz José Padilha

Diretor de "Narcos" comenta "realismo mágico" das Américas e aposta no streaming como a volta do cinema de autor. Série da Netflix narra trajetória do traficante colombiano Pablo Escobar, interpretado por Wagner Moura.

"Um realismo mágico". É assim que o cineasta José Padilha (Tropa de Elite) descreve a história do narcotraficante colombiano Pablo Escobar, retratada na esperada série Narcos. A produção de dez episódios da Netflix, que tem dois dirigidos por Padilha, estreou nesta sexta-feira (28/08).

Responsável por introduzir a cocaína nos Estados Unidos, Escobar se tornou um dos homens mais ricos do mundo entre as décadas de 1980 e 1990, e chegou a aparecer na lista de bilionários da revista Forbes. Na série, o chefe do cartel de Medellín é interpretado pelo ator Wagner Moura.

Mesclando dramaturgia e documentário, Padilha mostra um recorte da política regional da América Latina. "Tem coisas que só acontecem aqui", disse em entrevista à DW Brasil.

Em estreia em serviços de vídeo por streaming, o diretor afirma que as novas plataformas dão mais liberdade criativa e abrem espaço para um "renascimento do cinema de autor."

Deutsche Welle: Em uma alusão a Gabriel García Márquez, você abre a primeira temporada de Narcos com a frase "há uma razão para o realismo mágico ter surgido na Colômbia". Como esse realismo mágico se manifesta na série?

José Padilha: Eu sempre fui fã do Gabriel García Márquez. Essa inserção de elementos que, teoricamente, são irreais ou mágicos numa narrativa real sempre me interessou. E, para mim, isso é algo que existe na história e na política da América Latina em geral. Tem coisas que só acontecem aqui. A trajetória do Pablo Escobar, de fato, tem essa dimensão difícil de acreditar. Se você imaginar que um narcotraficante contratou um grupo de esquerda – o M19 – para invadir o Palácio da Justiça, destruir provas contra ele, sequestrar juízes... é uma coisa de maluco! Na Colômbia, quando você fala em realismo mágico, os colombianos dizem: "Olha, realismo mágico para os outros. Para nós, é documental." Por isso que eu usei material de arquivo na série: se eu não contasse a história por material de arquivo, as pessoas não iriam acreditar.

Seus filmes sempre tratam de questões sociais e políticas. O que te moveu em Narcos? Qual é a mensagem central?

Eu não sei se eu chamaria de mensagem. Eu tenho problema com o termo mensagem porque ele dá a entender que eu sei alguma coisa. Eu, na verdade, me interesso por como as coisas funcionam. Eu não acredito em ideologia. Eu não acho que o marxismo explique os fenômenos sociais, nem que a Escola de Chicago explique os processos econômicos. Eu simplesmente não acho que existam boas teorias sobre os processos sociais. Eu acho que o máximo que você pode fazer é olhar para um fenômeno restrito dentro de um contexto histórico e tentar explicar como ele funciona. Quando eu exponho a dinâmica do tráfico de cocaína, como ele começou e qual foi a reação dos Estados Unidos, eu procuro ver o que existe nesse processo limitado. E que talvez nos ensine alguma coisa.

Netflix Show Narcos Hauptdarsteller Wagner Moura

Wagner Moura como Pablo Escobar em "Narcos"

E o que Narcos nos ensina?

Narcos mostra a opção feita pelos EUA de combater as drogas atacando a oferta. Quando você entende a luta contra as drogas dessa forma, você necessariamente a transforma numa questão policial, uma questão militar. Você poderia fazer uma política de combate com foco na demanda, em quem consome a droga. Essa seria uma abordagem social e de saúde pública. Mas esse não foi o enfoque do país: não existe um enorme esforço de conscientização, não existe um aparato legal feito para flexibilizar o consumo de drogas, não existe uma rede massificada de ajuda aos viciados. Em vez disso, o que se vê em Narcos? Os EUA vão lá, fazem uma guerra na Colômbia, matam o Escobar. Antes de os EUA pegarem o Escobar, o tráfico de drogas já saiu de Medellín e foi para Cali. Aí já tem outro cara no lugar do Pablo Escobar. Quando o pegam, o tráfico vai parar na mão das FARC. Quando pegam as FARC, vai para o México. O que se deduz disso? Que uma política de combate às drogas que se concentra apenas na oferta cai num drama recorrente. É uma guerra que nunca acaba, porque a demanda continua lá.

Narcos é uma série feita para a Netflix, que é um serviço de streaming. Esse é um modelo de comercialização ainda relativamente recente. Como você vê essa nova estruturação da indústria cinematográfica?

Eu acho que a indústria do streaming vai ter um papel cada vez mais importante no audiovisual, especialmente do ponto de vista do produtor de conteúdo. A lógica de streaming é diferente da lógica das novelas ou dos filmes de estúdio. Se eu faço uma novela, ou um filme de estúdio, essas produções têm que dar certo. Se a novela não der certo, a televisão não vende anúncios. Os executivos desses meios são conservadores, porque todos os produtos têm que dar lucro. Já com a Netflix, a lógica é outra. A Netflix tem assinantes que pagam um valor mensal, independentemente do que escolherem assistir. A finalidade do serviço não é fazer com que um filme específico tenha resultado. O objetivo é macro: é fazer com que a totalidade dos filmes seja interessante para o assinante. Isso dá mais liberdade criativa.

E que perspectiva isso traz para a produção audiovisual?

Na minha opinião, o streaming vai resultar no renascimento do cinema de autor. E eu estou dando a opinião de alguém que fez tanto filme de estúdio grande, como o Robocop, quanto, agora, uma série grande de streaming. A minha impressão é que, com a entrada de plataformas no mercado, como a Amazon e a Netflix, veremos a volta do cinema de autor.

Leia mais