1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Sem consenso, UE decide não prorrogar embargo de armas à Síria

Proibição de dar armamentos a rebeldes expira na sexta-feira e, na falta de um acordo em Bruxelas, países-membros terão que decidir por conta própria se ajudam ou não na guerra contra Assad.

A nova tentativa da União Europeia de buscar uma postura comum para lidar com a questão de armar ou não os rebeldes sírios terminou nesta segunda-feira (27/05), em reunião de ministros em Bruxelas, novamente sem sucesso – e acirrou as divisões do bloco na política externa.

Sem acordo, o embargo de armas à Síria aplicado pelo bloco europeu, que expira na próxima sexta-feira, não será renovado. Com isso, cada um dos 27 países-membros terá que decidir por conta própria sobre o fornecimento de armamento à oposição síria. As sanções econômicas e financeiras, por outro lado, foram prorrogadas.

"Nós levamos ao fim o embargo de armas à oposição síria", disse o ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, após mais de 12 horas de negociações. "É uma mensagem forte da Europa ao regime de Bashar al-Assad."

Diante do impasse, a ideia inicial, segundo fontes diplomáticas, era que fosse adotado um período de dois meses de "trégua", como forma de dar uma chance à saída política para o conflito sírio. Mas a incerteza sobre a conferência promovida por EUA e Rússia, marcada para junho, em Genebra, endureceu a postura de países como o Reino Unido.

O Reino Unido é, ao lado da França, o principal defensor de armar a oposição síria, porém, enfrentava forte resistência de um pequeno grupo de países, como a Áustria, que acreditam que dar esse passo contribuiria apenas para aumentar o número de mortes na guerra. Outros Estados-membros, como Alemanha e Suécia, defendiam um acordo que mantivesse a unidade europeia.

Syrien Assad-Regime

Desde março de 2011, guerra na Síria contabiliza mais de 90 mil mortes

"Quanto tempo vamos continuar vendo as pessoas sendo atingidas por diversos tipos de armas enquanto a maior parte do mundo lhes nega meios para se defender?", questionou Hague, que disse, no entanto, que o Reino Unido não tem a intenção imediata de armar os rebeldes.

Rebeldes pressionam

O ministro das Relações Exteriores da Áustria, Michael Spindelegger, confirmou não ter havido acordo nesta segunda-feira. Já o alemão Guido Westerwelle admitiu, durante a reunião, que as posições dos países-membros estavam "distantes".

Durante a reunião desta segunda-feira, a Coligação Nacional da oposição síria reiterou os apelos à União Europeia para que levantasse o embargo de armas.

"A população síria continua a pedir armas, acima de tudo para se proteger. Eu espero, eu rezo, para que os ministros reunidos em Bruxelas entendam isso", afirmou Khaled al-Saleh, porta-voz da organização. "Ontem [domingo], o regime utilizou armas químicas em várias cidades."

A suspeita sobre o uso de armas químicas na Síria é cada vez mais forte, advertiu o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius. Ele não especificou quem as teria usado, mas afirmou que a situação está sendo verificada.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, desde março de 2011, a guerra civil na Síria já deixou mais de 94 mil mortos.

FA/rtr/afp/lusa/ap

Leia mais