1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Seguridade social em xeque

Alemães são confrontados com propostas cada vez mais radicais de cortes no Estado de bem-estar social. Envelhecimento e redução populacional obrigam países de todo o mundo a rever seus sistemas de seguridade.

default

Aposentadorias mais tardias e menores para as novas gerações

A partir de 2030, as aposentadorias deverão corresponder a apenas 40% da média do salário bruto, ao contrário dos atuais 48%, conforme a mais recente sugestão divulgada da Comissão Rürup, que prepara propostas para a reforma da seguridade social da Alemanha. Cada vez fica mais claro que o caminho segue para um sistema misto de Previdência pública e privada.

A enxurrada de soluções – na maioria paliativas – para a crise da seguridade social alemã evidencia a proximidade do fundo do poço. E não só na Alemanha. De acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) dos Estados Unidos, em dez anos os sistemas alemão, espanhol e italiano poderão se tornar insolventes. Ou seja, incapazes de manter o pagamento de aposentadorias e pensões.

Perspectivas sombrias – Diante das dificuldades da economia e do já excessivo déficit público, a Alemanha está com as mãos atadas, sem poder cobrir o previsível rombo através de aumento de impostos ou dos subsídios da União para o caixa da Previdência. Atualmente, os suplementos pagos pelos cofres federais já correspondem a 30% do orçamento da Previdência. Segundo o Ministério das Finanças, se o sistema não for reformado radicalmente, no ano 2050 a União terá de reforçar a Previdência com recursos equivalentes a 80% das aposentadorias.

"Nosso sistema é como uma família, cujos pais já estão bastante velhos. Além disso, o pai perdeu o emprego e a mãe trabalha meio expediente. Na esperança de logo conseguir um novo emprego ganhando o triplo, a família mantém uma casa grande, dois carros e o estudo da filha. Assim estamos nos iludindo. Temos de nos mudar para um apartamento menor, vender um dos carros e arrumar trabalho para os filhos, para que eles também financiem seus estudos", prega a deputada verde Antje Hermenau.

O envelhecimento da população é a razão central do colapso. As pessoas vivem cada vez mais, enquanto decresce o número de nascimentos. A previsão é de que a Alemanha tenha 75 milhões de habitantes em 2050, contra os atuais 82,5 milhões. No mesmo período, a expectativa de vida deve prolongar-se em mais sete anos. Hoje já a metade da população alemã tem mais de 40 anos. Um século atrás, a vida de um cidadão na Alemanha mal passava, em média, dos 46 anos. De acordo com projeções da ONU, em 2100 os idosos com idade superior a 80 anos poderão representar de 20% a 80% da população na Europa Ocidental, contra 3% de hoje.

Imigração, solução parcial – A diretora do Instituto Federal de Pesquisa Populacional, Charlotte Höhn, sente-se aliviada pelos políticos finalmente levarem o assunto a sério. Há décadas os pesquisadores prenunciam o colapso do sistema de seguridade, mas as únicas reações dos governos até agora foram a introdução do seguro-enfermagem ( Pflegeversicherung, que assegura assistência domiciliar a pessoas com dificuldades de locomoção) e a ampliação da idade mínima para a aposentadoria.

Höhn não acredita que suprir a carência de nascimentos com imigrantes seja a solução. Para a diretora, estimular a imigração provocará apenas um "alívio temporário". Além disto, a opção é polêmica, pois resultaria numa mudança drástica no perfil da população alemã. A Alemanha abriga hoje 7,3 milhões de origem estrangeira, o equivalente a 8,9% do total de habitantes. Oitenta por cento são europeus. Os turcos somam 1,9 milhões e formam o maior grupo estrangeiro (26,1%).

Problema mundial – A Alemanha não é o único país a precisar rever seu sistema de seguridade social. Todos os industrializados sofrem processo de envelhecimento populacional. Os menos afetados são Austrália, Grã-Bretanha e Estados Unidos, nos quais a Previdência pública é modesta e a privada, bem difundida, além de que as taxas de natalidade não são tão baixas quanto nos demais. Mas o fenômeno já atinge também países em desenvolvimento. No Brasil e no Irã, por exemplo, a média de nascimentos já é igual ou menor a dois filhos por casal. E a China deve entrar nesta fase em menos de 25 anos.

Esta tendência, entretanto, só deverá tornar-se majoritária no planeta no fim deste século 21, segundo as previsões dos entendidos, reunidos até esta quarta-feira (20/08) no 54º Congresso Mundial de Institutos de Estatísticas, em Berlim. As projeções apontam para uma estagnação ou reversão do crescimento da população mundial somente após 2090, quando a Terra deverá estar hospedando quase 10 bilhões de seres humanos, contra os 6,3 bilhões de hoje e 1,6 bilhão do século passado. Por volta de 2050, a Índia deverá superar a China como país mais populoso.

"Não se iludam. Isto terá muitas conseqüências sobre a economia, o meio ambiente, a política, a psicologia, a cultura e a geopolítica", adverte Joseph Chamie, diretor do Departamento de População da ONU. Para ele, se o século 20 entrou para a história como "o século da explosão demográfica", o 21 ficará conhecido como "o século do envelhecimento".

Leia mais