1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Segurança para guarda-costa de Bin Laden

Começou em Düsseldorf primeiro processo contra um suspeito de terrorismo pertencente ao movimento El Tawhid. Réu confesso de 26 anos já fez muitas revelações à Justiça alemã e goza, por isso, de proteção especial.

default

Advogado de defesa do réu (esq.) chega ao tribunal em Düsseldorf

A rua em que se situa o Tribunal Estadual de Düsseldorf foi interditada, diante do edifício patrulham policiais armados. Quem quiser acompanhar o julgamento precisa submeter-se a um rigoroso controle na entrada. Na sala do tribunal, agentes de segurança não tiram os olhos dos presentes, o réu não pode ser fotografado, por encontrar-se em estado de "mais alto grau de risco", segundo o juiz que dirige o julgamento, Ottmar Breidling.

Shadi Mohammed Mustafa A., palestino jordaniano de 26 anos, é acusado de ter planejado e preparado atentados contra entidades judaicas e israelenses na Alemanha.

A "muda" e as "maçãs russas"

O réu, cuja aparência em nada lembra um muçulmano fanático, envolveu-se em Krefeld, no oeste da Alemanha, com um grupo de islâmicos que compunham o movimento sunita-palestino El Tawhid, independente da Al Qaeda, mas a ela ligada ideologicamente. Os telefones dos supostos terroristas estavam grampeados e, quando eles começaram a falar de uma "muda" e de "maçãs russas" — sinônimos de pistola com silenciador e granadas —, a polícia os prendeu.

Na prisão, Shadi A. não apenas confessou, como também tornou-se uma importante testemunha da acusação, fornecendo informações sobre outros suspeitos de terrorismo na Alemanha, razão pela qual está sob proteção policial. Depôs inclusive contra Mounir El Motassadeq, condenado em Hamburgo a 15 anos de prisão.

Matar o maior número possível de pessoas

O réu, que passou um ano e meio em campos no Afeganistão, onde passou por treinamentos, chegou a ser guarda-costa de Osama Bin Laden durante um curto espaço de tempo.

De volta à Alemanha, recebeu a incumbência de planejar o lançamento de granadas de mão nas proximidades de entidades israelenses ou judaicas, "em alguma cidade grande da Alemanha, com a intenção de matar o maior número possível de pessoas". Além disso, confessou planos de um atentado com pistola equipada com silenciador em alguma praça movimentada.

O julgamento, que começou nesta terça-feira (24/06), está previsto para durar até fins de setembro.

Leia mais