1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Segurança internacional será maior legado da Copa 2006

A cooperação da polícia internacional em escala nunca vista antes em uma Copa do Mundo será a maior lição do evento na Alemanha. O trabalho superou até mesmo as mais otimistas expectativas dos organizadores.

default

Policiais britânicos e alemães atuaram em conjunto

Antes da competição, autoridades ensaiaram todo tipo de cenário possível, desde atentados terroristas com bombas a ações violentas de hooligans. Além disso, a mídia encheu os noticiários com a onda de provocações de grupos neonazistas com ataques a estrangeiros de pele negra e choques em áreas de telões.

Agora, com apenas dois jogos restantes, a Copa do Mundo termina praticamente sem nenhum registro considerável numa atmosfera de clima de festa que surpreendeu e agradou não apenas aos estrangeiros, mas também aos próprios alemães.

Festnahme von englischen Fußballfans in Stuttgart WM 2006

Policiais detiveram 500 ingleses em Stuttgart

Mais de 400 torcedores foram presos em Dortmund, quando a Alemanha jogou contra a Polônia na primeira fase da Copa. Em Stuttgart, 500 ingleses foram detidos quando a seleção britânica enfrentou o Equador. No entanto, em ambos os casos as conclusões policiais foram de que os tumultos resultaram do consumo excessivo de álcool e não das ações de hooligans.

"Fortes precauções, prevenção compreensiva, mas também um ambiente relaxado, festivo e alegre". Assim foi definido o trabalho de segurança pelo ministro do Interior, Wolfgang Schaeuble (CDU), quando perguntado sobre o segredo por trás do sucesso.

Nos bastidores, policiais estrangeiros trabalharam em cooperação com colegas alemães nos quertéis-generais da polícia federal e em uma unidade especial anti-hooligan, enquanto que a Interpol e a Europol enviaram especialistas para o Centro de Inteligência do ministério do Interior.

Mas a maior inovação foi a distribuição de cerca de 320 policiais uniformizados de 13 nações européias para vigiar viajantes de seus respectivos países, principalmente em aeroportos e estações de trem.

Impressões positivas

A mesma medida provavelmente será repetida em 2008 durante a Eurocopa, que será realizada na Suíça e Áustria. "Faz-se necessária cooperação internacional e a polícia precisa de toda ajuda que pode ser enviada no caso de situações ficarem graves. Essas são duas grandes lições", disse o policial suíço Walter Just.

"Definitivamente valeu a pena e estou certo de que os responsáveis na Áustria e na Suíça já estão pensando em como implementar algo similar", disse policial austríaco Bernhard Gaber.

Ele também ficou impressionado com o policiamento nas áreas públicas destinadas a transmissões de jogos em telões. No caso de Berlim, onde a concentração era no Portão de Brandenburgo, até 900 mil pessoas se reuniram para a semifinal entre Alemanha e Itália.

O superintendente da Scotland Yard de Londres, Roger Evans, elogiou a polícia alemã por ter lidado com 250 mil torcedores ingleses que acompanharam sua seleção pela Alemanha, levando em consideração o histórico de problemas registrados no passado.

"Nós pedimos a eles policiar os torcedores ingleses pelos seus comportamentos e não pela reputação e isso foi exatamente o que aconteceu. A polícia alemã, onde quer que tenha lidado com fãs britânicos, foi muito tolerante e contida", disse.

O líder da delegação de segurança holandesa, Gijsbertus Vermeulen, caracterizou a ação como uma "experiência singular".

Também o ministro do Interior da Baviera, Günther Beckstein (CSU), fez um balanço positivo. "Não foram registrados distúrbios da segurança, quer seja por hooligans nos arredores dos estádios, ou nas áreas com telões", disse Beckstein, acrescentando: "Não tivemos problemas nem com criminalidade em geral – e ladrões de bolsas à prostituição – , graças a Deus, nem com conexões terroristas", concluiu.

Resultado compensa custos

Mesmo com pensamentos genéricos de ameaças terroristas, os alemães foram capazes de manter a segurança menos intrusiva do que a da Copa de 2002 na Coréia do Sul e Japão (menos de um ano dos atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos) e da dos Jogos Olímpicos de Atenas.

WM 2006 - Deutschland - Polen - Polizei

Para o ministro do Interior os custos com a segurança foram compensandos pelo resultado positivo

Schaeuble disse que não pode estimar em quantia o custo total da segurança porque foi feita uma divisão entre governo central e 16 estados, cada um dos quais é responsável por sua própria força policial. Mas ele disse a jornalistas: "A grande maioria dos alemães concordaria quando eu digo que o retorno, em termo de diversão, compensa muito mais do que o gasto feito com a segurança".

Projeto Torcedores

Os responsáveis por coordenar os projetos de torcedores (Fan-Projekt) durante a Copa também ficaram satisfeitos com o trabalho policial em todos os níveis. Representantes do departamento de coordenação deste projeto, que serve para prestar auxílio aos torcedores, disseram que estiveram em contato com mais de dois milhões de fãs durante o Mundial.

"Mais uma vez nossa experiência se confirmou, que uma atmosfera respeitadora é a melhore garantia de segurança", analisou um dos líderes do projeto Thomas Schneider.

Leia mais