1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Segurança internacional no centro das discussões do G7

A cúpula das sete economias mais avançadas entra em seu segundo e último dia com foco no combate ao terrorismo, após um domingo de críticas ao que Obama chamou de "agressão russa na Ucrânia".

No segundo e último dia da cúpula do G7, na Baviera, os líderes das sete economias mais avançadas do planeta devem apresentar, nesta segunda-feira (08/06), propostas sobre a criação de uma frente internacional para combater ameaças à segurança global, como o avanço das organizações jihadistas, e aquilo que o presidente americano, Barack Obama, qualificou de "agressão russa na Ucrânia".

Os chefes de Estado e governo de Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido excluíram pela terceira vez consecutiva o presidente russo, Vladimir Putin, mas convidaram outros líderes de países fora do G7 a participar do encontro.

Um deles foi o primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, que irá discutir com os demais chefes de Estado a luta contra a organização terrorista "Estado Islâmico" (EI), que ocupa mais de um terço do território do país. Também está em debate o fluxo de jihadistas de várias partes do mundo que aderem ao EI e a ameaça que eles podem representar a seus países de origem.

Outro convidado da cúpula é o recém-eleito presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, que busca apoio internacional para combater o grupo terrorista Boko Haram. Os extremistas realizaram 11 atentados – que deixaram 93 mortos – na primeira semana de Buhari no poder.

Unidos contra a Rússia

O primeiro dia da cúpula do G7 foi dominado pelo conflito na Ucrânia. Obama e a anfitriã, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, convocaram a comunidade internacional a se manter firme contra a Rússia, até que o Kremlin aja dentro dos parâmetros estabelecidos pelo acordo de Minsk, que prevê um cessar-fogo no leste ucraniano.

"Espero que estejamos enviando um forte sinal aqui. As sanções à Rússia não são um fim, mas um meio para atingirmos um objetivo", disse Merkel.

Apesar de o presidente Putin insistir que "não há motivos para temer a Rússia", o recente acirramento do conflito na Ucrânia elevou os temores de um fracasso do frágil acordo de paz assinado há quatro meses.

Mudanças climáticas na pauta

Angela Merkel e o presidente francês, François Hollande, deverão buscar um consenso entre seus colegas do G7 sobre outro tema sensível na comunidade internacional: as mudanças climáticas. Um novo acordo para reduzir a emissão de gases do efeito estufa será discutido na Conferência do Clima em Paris, marcada para o fim de novembro.

Os dois líderes buscam enviar uma mensagem clara para que outras nações se comprometam a reduzir suas emissões e a frear o aquecimento global, que ameaça derreter as calotas polares, elevar o nível dos oceanos e agravar os fenômenos naturais extremos.

RC/afp/dpa

Leia mais