1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Segurança e combate ao desemprego na campanha do SPD

No dia 22 de setembro, os eleitores alemães definirão seu futuro governo. O Partido Social Democrático (SPD) antecipou em 18 dias a "fase quente" da sua campanha eleitoral.

default

Franz Müntefering (esq.) e Gerhard Schröder (dir.), na última convenção do SPD

Agora não se trata apenas de fazer desfilar pelo país o candidato do SPD, o atual chanceler federal Gerhard Schröder, num esforço de recuperar suas chances de reeleição. Também não basta refrescar a memória dos eleitores, acentuando as conquistas dos quatro anos da coalizão governamental com o Partido Verde.

É preciso provar aos votantes que o partido tem perspectivas sólidas para o futuro. E, embora Edmund Stoiber, o candidato da União Social Cristã (CSU) e da União Democrática Cristã (CDU), esteja se mostrando um adversário forte, os social-democratas mostram-se confiantes. Afinal, insegurança nunca angariou votos.

Uma nota dissonante: Schröder e o secretário-geral do SPD, Franz Müntefering, aparentemente discordam quanto ao ponto central da campanha. Enquanto o chanceler aposta na política externa e de segurança, Müntefering propõe o combate ao desemprego como tema central, acrescentando: "Não acredito que a política externa decida as eleições."

Segundo ele, a negação da guerra e da violência estão contidos na mensagem central da campanha: Seguimos do nosso jeito alemão. A afirmativa implica que o povo germânico "não está disposto a aventuras". O "jeito alemão" também significa preservar o Estado social, que não permitirá que 20% da população sejam simplesmente excluídos: os mais fracos precisam saber que têm um porto seguro.

Segundo o secretário-geral, esta é a ameaça do modelo norte-americano, favorecido pela aliança CDU/CSU. A segunda mensagem do SPD é: Stoiber é falso, Schröder é o chanceler certo. Ou seja: as promessas da oposição seriam totalmente impraticáveis.

Para Müntefering, o combate ao desemprego será "o critério para julgar a política deste país." Ele espera impulsos decisivos da comissão encabeçada pelo diretor da Volkswagen, Peter Hartz, que apresentará suas sugestões em meados de agosto. No dia 18, o SPD as discutirá e, três dias mais tarde, serão submetidas ao gabinete governamental. O secretário-geral disse esperar agora de seu partido uma "nova arrancada", preparando a "arrancada final" para o pleito de 22 de setembro.

O papel do Oriente Médio

Por sua vez, o chanceler federal enumerou numa entrevista à televisão, na quinta-feira (01/08), os três temas que, a seu ver, dominarão a campanha. À frente da política tributária e dos direitos trabalhistas, a segurança internacional vem em primeiro lugar. "Temos notícias preocupantes do Oriente Médio e a guerra não está excluída. Penso que, após 11 de setembro passado, provamos ser capazes de agir com moderação e no interesse da nossa população, além de sermos solidários com a comunidade internacional", declarou o chanceler.

Schröder reafirmou seu ceticismo quanto a uma investida militar dos Estados Unidos contra o Iraque, um posicionamento que também será enfatizado na campanha eleitoral. Segundo o chanceler, seu governo tudo fará para evitar um conflito, empenhando-se tanto junto à ONU quanto junto aos parceiros europeus.

Sempre seguindo o "jeito alemão", Müntefering acrescentou: "Em caso de dúvida, temos nossos próprios interesses a defender." Mesmo sem participação bélica ou financeira numa tal ação, a guerra comprometeria seriamente a economia e a prosperidade na Alemanha, lembrou o secretário-geral do SPD.

Leia mais