1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Schumacher otimista com estréia da nova Ferrari no Brasil

A Ferrari cedeu à pressão de Schumacher e resolveu estrear a F2002 no GP do Brasil. O traçado de Interlagos favorece entretanto as Williams-BMW.

default

Jean Todt e Michael Schumacher

"A F2002 é mais rápida que nossa antiga F2001", disse Michael Schumacher nesta segunda-feira (25), ao comentar a decisão da Ferrari de estrear o novo carro no GP do Brasil, a terceira corrida desta temporada. "Eu já estava otimista, que podíamos lutar pela vitória no Brasil, mas agora estou ainda mais otimista", completou o piloto alemão.

A grande preocupação da Ferrari é com a escuderia Williams-BMW, que no último GP da Malásia fez os dois primeiros lugares do pódio: Ralf Schumacher em primeiro e Juan Pablo Montoya em segundo. Michael Schumacher, que terminou em terceiro, tem agora 14 pontos, com apenas dois de vantagem sobre Montoya (12) e quatro sobre o seu irmão (10).

Além disso, a pista de Interlagos (4,309 km) exige bastante dos motores, favorecendo as potentes Williams. No ano passado, Montoya liderou grande parte da prova, após uma espetacular ultrapassagem em Schumacher, só deixando de vencer por causa de um acidente provocado pelo holandês Jos Verstappen, que estava uma volta atrás.

Pressão de Schumacher – Segundo os jornais italianos, o ambicioso Schumacher fez forte pressão sobre a Ferrari para correr no F2002, que seria ainda de 7 a 8 décimos de segundo por volta mais rápido que o modelo anterior. Para fazer frente às Williams, Schumacher convenceu o diretor esportivo, Jean Todt, a levar a nova Ferrari para São Paulo. Schumacher reconhece que as Williams são as maiores concorrentes nesta temporada.

O que é válido para Schumacher não vale entretanto para Rubens Barrichello. O brasileiro, segundo piloto da equipe, terá de se contentar em Interlagos com a versão melhorada do modelo do ano passado.

Apesar do otimismo, o piloto alemão admite que correr com a F2002 representa um certo risco: "É claro que não há garantia de 100%, principalmente porque nunca andamos com o carro em condições semelhantes às do Brasil. Mas os testes mostraram que a F2002 é robusta", concluiu Schumacher.

Leia mais