1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Schröder quer tirar competência do vice Fischer em questões européias

Uma proposta de Gerhard Schröder, de que a Chancelaria federal assuma toda a competência das questões ligadas à União Européia, provocou protestos imediatos dos políticos dos demais partidos.

default

Schröder (dir.) e Fischer, divergências na política européia

O chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, estuda a possibilidade de uma reestruturação das competências dentro do gabinete ministerial. A eventual criação do cargo de ministro para Assuntos Europeus junto à Chancelaria federal poderia transferir a competência de todas as questões relativas à União Européia para a assessoria direta do chanceler.

Em entrevista à revista Der Spiegel, Schröder afirmou que a idéia da criação de um Conselho de Ministros para a Europa é sensata, mas que a forma da sua realização ainda está em aberto.

O chefe do governo alemão e presidente do SPD (Partido Social Democrático) assegurou que não haverá nenhum atrito de competência com o ministro das Relações Exteriores, Joschka Fischer, do Partido Verde. A questão deverá ser abordada nas novas negociações do acordo de coalizão.

Schröder admitiu que as opiniões de Fischer, que acumula a função de vice-chanceler, são "às vezes" divergentes das suas. "Neste caso", afirmou, "a questão será decidida aberta e objetivamente."

Oposição é contra – Os partidos da oposição manifestaram ceticismo em relação aos planos de reforma ministerial. O ex-ministro das Relações Exteriores Klaus Kinkel (Partido Liberal Democrático) e o ex-presidente da União Democrata-Cristã (CDU) Wolfgang Schäuble acreditam que a reestruturação visa apenas desviar a atenção dos problemas surgidos ultimamente entre Berlim e Bruxelas. Além disto, a transferência de competências para a Chancelaria federal iria enfraquecer enormemente a posição do Ministério das Relações Exteriores, afirmam.

Kinkel conclamou Fischer, seu sucessor como ministro, a opor-se ao corte das suas competências e às "ambições de uma Chancelaria federal que se torna cada vez mais poderosa". Contrariamente aos planos de Schröder, Kinkel defende a ampliação das competências do secretário para Assuntos da União Européia no Ministério das Relações Exteriores. A criação de um cargo de ministro, vinculado à Chancelaria federal, é dispendiosa e supérflua, ressaltou o político liberal.

Opinião semelhante foi expressa também pela líder da bancada verde no Parlamento federal, Kerstin Müller, e pelo ex-ministro das Relações Exteriores Hans-Dietrich Genscher (FDP). O único partido a apoiar o debate iniciado por Gerhard Schröder foi o PDS (Partido do Socialismo Democrático), de linha neocomunista.