1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Schröder defende plano de contenção de despesas

Chanceler federal da Alemanha defendeu as diretrizes do seu gabinete, apesar da fraca conjuntura e do aumento do desemprego. Posição foi manifestada no debate parlamentar sobre o projeto de orçamento para o próximo ano.

default

O chefe de governo Gerhard Schöder respondeu às críticas da oposição no parlamento

Enquanto o chefe de governo alemão, Gerhard Schröder, tentou convencer o Parlamento (Bundestag) de que não há alternativa para o plano de contenção de despesas para 2002, a oposição o responzabilizou pelo desemprego crescente e a crise econômica.

O debate sobre o orçamento do ano seguinte no Parlamento é, tradicionalmente, usado pelas lideranças políticas para a "lavagem de roupa suja". Desta vez, os ânimos foram especialmente acirrados em vista das eleições parlamentares marcadas para 2002.

O chefe de governo e presidente do Partido Social Democrático (SPD), Schröder, defendeu o plano de austeridade do seu ministro das Finanças, Hans Eichel (SPD). Ele argumentou ter herdado uma dívida pública de 1,5 trilhão de marcos do governo anterior, do democrata-cristão Helmut Kohl.

Schröder destacou que, não fossem as medidas impostas por Eichel, de economizar 30 bilhões de marcos, a Alemanha não teria cumprido o pacto de estabilidade imposto pela União Européia.

Advertido pelo lpresidente do Partido Liberal, Guido Westerwelle, o chefe de governo reconheceu que não cumprirá a meta de reduzir o número de desempregados para menos de 3,5 milhões, devido a atual conjuntura mundial. Ressaltou, entretanto, progressos no mercado de trabalho para os jovens.

Problemas conjunturais - O fraco crescimento econômico da Alemanha - o país está em último lugar nos prognósticos de crescimento entre os países europeus – é, segundo Schröder, conseqüência da situação econômica nos Estados Unidos e do encolhimento do setor da construção civil no Leste do país.

A política financeira e os planos de orçamento do governo foram defendidos também por oradores do Partido Verde, parceiro na coalizão de governo em Berlim. O líder da bancada verde, Rezzo Schlauch, apelou ao empresariado que desista da anunciada onda de demissões e não bloqueie uma política de incentivo à migração controlada.

Os partidos de oposição, por seu lado, destacaram a "incompetência no gerenciamento do país". Angela Merkel, presidente da União Democrata-Cristã (CDU), o maior partido de oposição, criticou os aumentos do imposto sobre combustíveis, seguros e tabaco, previstos para o início de 2002. Para ela, o aumento no salário família a partir de janeiro acabará se tornando insignificante.

O projeto de orçamento do governo alemão para 2002 será aprovado pelo Bundestag nesta sexta-feira. Seu volume total é de 247,5 bilhões de euros, correspondendo a um aumento de 1,5% em relação a 2001.

  • Data 28.11.2001
  • Autoria Roselaine Wandscheer
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1QF3
  • Data 28.11.2001
  • Autoria Roselaine Wandscheer
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1QF3